domingo, 30 de novembro de 2008

Van Gogh e Edvard Munch


Campo de trigo com corvos - Vicent Van Gogh - 1890



Dizem que este foi o último quadro pintado por Van Gogh que teria se suicidado uma semana depois, com um tiro no peito disparado por uma arma que emprestara com o propósito de espantar os corvos.

Muitos críticos viram no céu tempestuoso, nos corvos revoltos como anjos negros e na agitação do trigo uma clara demonstração do estado de espírito tumultuado do pintor que entremeava momentos de lucidez com outros de delírio devido à sua doença mental.




O Grito - Edvard Munch - 1893



Pintada apenas 3 anos após a de Van Gogh, esta tela de Munch tornou-se tão famosa e iconoclástica quanto aquela.

Aqui um personagem andrógino, sem cabelos como se doente, torto e deformado está a gritar e a tapar os ouvidos como se assim pudesse interromper ou deter o que o incomoda. Todo o quadro expressa dor, angústia e desespero.

A exposição que o mostrou pela primeira vez foi considerada tão perturbadora que um crítico recomendou que grávidas não a visitassem.

...

Embora tenhamos por convenção considerar a arte uma expressão do belo, diversos artistas colocaram em suas obras algo da angústia e da dor de viver e o fizeram de forma tão magnifíca que se eternizaram como ícones da arte, ou seja, do belo.

Embora perturbadoras pelo conteúdo são talvez mais reais e verdadeiras do que aquelas que apenas retratam o belo e o perfeito, porquanto aproximam-se mais de nossa condição humana e mortal.

Nas próximas postagens trarei para vocês algumas destas obras, tanto da pintura, quanto da literatura, da poesia e da música. Espero que apreciem. :D

0 comentários:

Posts relacionados: