Pular para o conteúdo principal

O Corvo - Edgar Allan Poe


The Raven - ilustração de Gustave Doré


O CORVO
Edgar Allan Poe

Numa meia-noite agreste, quando eu lia, lento e triste,
Vagos, curiosos tomos de ciências ancestrais,
E já quase adormecia, ouvi o que parecia
O som de alguém que batia levemente a meus umbrais
«Uma visita», eu me disse, «está batendo a meus umbrais.»
«É só isso e nada mais.»

Ah, que bem disso me lembro! Era no frio dezembro,
E o fogo, morrendo negro, urdia sombras desiguais.
Como eu qu'ria a madrugada, toda a noite aos livros dada
P'ra esquecer (em vão) a amada, hoje entre hostes celestiais —
Essa cujo nome sabem as hostes celestiais,
Mas sem nome aqui jamais!

Como, a tremer frio e frouxo, cada reposteiro roxo
Me incutia, urdia estranhos terrores nunca antes tais!
Mas, a mim mesmo infundindo força, eu ia repetindo,
«É uma visita pedindo entrada aqui em meus umbrais;
Uma visita tardia pede entrada em meus umbrais.
É só isso e nada mais».

E, mais forte num instante, já nem tardo ou hesitante,
«Senhor», eu disse, «ou senhora, decerto me desculpais;
Mas eu ia adormecendo, quando viestes batendo,
Tão levemente batendo, batendo por meus umbrais,
Que mal ouvi...» E abri largos, franquendo-os, meus umbrais.
Noite, noite e nada mais.

A treva enorme fitando, fiquei perdido receando,
Dúbio e tais sonhos sonhando que os ninguém sonhou iguais.
Mas a noite era infinita, a paz profunda e maldita,
E a única palavra dita foi um nome cheio de ais —
Eu o disse, o nome dela, e o eco disse aos meus ais.
Isto só e nada mais.

Para dentro estão volvendo, toda a alma em mim ardendo,
Não tardou que ouvisse novo som batendo mais e mais.
«Por certo», disse eu, «aquela bulha é na minha janela.
Vamos ver o que está nela, e o que são estes sinais.»
Meu coração se distraía pesquisando estes sinais.
É o vento, e nada mais.

Abri então a vidraça, e eis que, com muita negaça,
Entrou grave e nobre um corvo dos bons tempos ancestrais.
Não fez nenhum cumprimento, não parou nem um momento,
Mas com ar solene e lento pousou sobre meus umbrais,
Num alvo busto de Atena que há por sobre meus umbrais.
Foi, pousou, e nada mais.

E esta ave estranha e escura fez sorrir minha amargura
Com o solene decoro de seus ares rituais.
«Tens o aspecto tosquiado», disse eu, «mas de nobre e ousado,
Ó velho corvo emigrado lá das trevas infernais!
Dize-me qual o teu nome lá nas trevas infernais.»
Disse-me o corvo, «Nunca mais».

Pasmei de ouvir este raro pássaro falar tão claro,
Inda que pouco sentido tivessem palavras tais.
Mas deve ser concedido que ninguém terá havido
Que uma ave tenha tido pousada nos seus umbrais,
Ave ou bicho sobre o busto que há por sobre seus umbrais,
Com o nome «Nunca mais».

Mas o corvo, sobre o busto, nada mais dissera, augusto,
Que essa frase, qual se nela a alma lhe ficasse em ais.
Nem mais voz nem movimento fez, e eu, em meu pensamento
Perdido, murmurei lento, «Amigo, sonhos — mortais»
Todos — todos lá se foram. «Amanhã também te vais».
Disse o corvo, «Nunca mais».

A alma súbito movida por frase tão bem cabida,
«Por certo», disse eu, «são estas vozes usuais.
Aprendeu-as de algum dono, que a desgraça e o abandono
Seguiram até que o entono da alma se quebrou em ais,
E o bordão de desesp'rança de seu canto cheio de ais
Era este «Nunca mais».

Mas, fazendo inda a ave escura sorrir a minha amargura,
Sentei-me defronte dela, do alvo busto e meus umbrais;
E, enterrado na cadeira, pensei de muita maneira
Que qu'ria esta ave agoureira dos maus tempos ancestrais,
Esta ave negra e agoureira dos maus tempos ancestrais,
Com aquele «Nunca mais».

Comigo isto discorrendo, mas nem sílaba dizendo
À ave que na minha alma cravava os olhos fatais,
Isto e mais ia cismando, a cabeça reclinando
No veludo onde a luz punha vagas sombras desiguais,
Naquele veludo onde ela, entre as sombras desiguais,
Reclinar-se-á nunca mais!

Fez-me então o ar mais denso, como cheio dum incenso
Que anjos dessem, cujos leves passos soam musicais.
«Maldito!», a mim disse, «deu-te Deus, por anjos concedeu-te
O esquecimento; valeu-te. Toma-o, esquece, com teus ais,
O nome da que não esqueces, e que faz esses teus ais!»
Disse o corvo, «Nunca mais».

«Profeta», disse eu, «profeta — ou demónio ou ave preta!
Pelo Deus ante quem ambos somos fracos e mortais,
Dize a esta alma entristecida se no Éden de outra vida
Verá essa hoje perdida entre hostes celestiais,
Essa cujo nome sabem as hostes celestiais!»
Disse o corvo, «Nunca mais».

«Que esse grito nos aparte, ave ou diabo!, eu disse. «Parte!
Torna à noite e à tempestade! Torna às trevas infernais!
Não deixes pena que ateste a mentira que disseste!
Minha solidão me reste! Tira-te de meus umbrais!»
Disse o corvo, «Nunca mais».

E o corvo, na noite infinda, está ainda, está ainda
No alvo busto de Atena que há por sobre os meus umbrais.
Seu olhar tem a medonha dor de um demónio que sonha,
E a luz lança-lhe a tristonha sombra no chão mais e mais,
E a minh'alma dessa sombra, que no chão há mais e mais,
Libertar-se-á... nunca mais!

Tradução de Fernando Pessoa

...

No gênero "poema triste" O Corvo é considerado imbatível, talvez o mais belo e eterno. O personagem principal sofre pela morte da amada Lenore e é assombrado por um corvo que repete exaustivamente a palavra "Nunca mais" ao longo das estrofes.

O mais interessante (ao meu ver) é que o autor, Edgar Allan Poe, não estava triste quando o escreveu, menos ainda sofrendo pela morte de que quer que seja. Ao menos não mais triste do que seu estado normal de depressivo e alcoolatra.

Poe queria escrever um poema imortal, e toda a escrita, cada palavra, cada idéia foi cuidadosamente pensada e calculada para exercer este efeito melancólico, sobrenatural e romantico.

Para quem se interessar o próprio autor escreveu sobre a metodologia de criação deste poema. Leia a Filosofia da Composição de O Corvo, por Edgar Allan Poe, aqui no Ofício Literário.



Comentários

Paulo N. disse…
não sou fã de poemas, mas esse é demais, vi em 1 episodios de OS SIMPSONS e nunca mais esqueci, diversos posts q fiz antes, lendo o blog em ordem cronologica eu havia me perguntado se veria esse poema, até coloquei o nome do poema errado chamando de "nunca mais", burrice minha, como poderia esquecer o certo q era, o corvo

Postagens mais visitadas deste blog

(FF XII) TÁ TUDO AQUI! (detonados, história, summons, mapas, dicas, gil, rare itens, farms) Só clicar.

           Responsável: Neiva  - Posts:  Neiva , André  - Colaboração:  Emanuel Traduções: Bruno , Jackson ,  Mário , Thiago , Bruno B. LEIA ISTO PRIMEIRO  SOBRE FFXII Itens perdíveis e dungeons não retornáveis História completa em português   O filme completo em inglês TRADUÇÃO EM PORTUGUÊS BR O mundo de Ivalice Raças MONTANDO A EQUIPE Personagens Como combinar classes Simulador de combos de classes SISTEMA DE COMBATE Equipe Killer Neiva   Sobre o sistema de combate e Gambits Equipe Killer André Todos os Gambits Todas as magias e técnicas MEU JOGO (NEIVA) Buffs e Debuffs Primeiras impressões Atributos Introdução Zodiac System e seu sistema de classes A Cidade Real de Rabanastre Drops raros com chains e monographs O Portão Leste Downtown EQUIPÁVEIS O Palácio R

(FF XII) Hunts (caçadas)

Por André Anastácio  A sidequest mais conhecida de Final fantasy XII com certeza é a caça aos 45 marks do jogo. Marks são monstros poderosos, que precisam ser eliminados para, de alguma forma, alguma pessoa ser beneficiada com isso.  Agora é hora demostrar como detonar essas missões paralelas. Verificando o quadro que fica nos bares das cidades (Rabanastre, Bhujerba, Baifonheim), você pode aceitar pedidos para caçar Marks. Eles vão aparecendo conforme seu Rank de caçador subir, e ele sobe conforme você mata mais Marks e inimigos. Aceitando um pedido, você deve ir falar com o cliente antes de sair para matar o monstro. Quando falar com a pessoa em questão, a mensagem "The Hunt Begins" aparece na tela, e aí é só ir caçar o bicho. E lembre-se de retornar ao cliente quando acabar a missão para pegar sua recompensa. P.S.: É altamente recomendável sempre dar steal (para roubar itens) nos monstros de caçadas pois alguns deles oferecem itens EXCELENTES e que você p

(FF XII) Lista de todas as armas, status e localização

Por André Anastácio Lista completa das armas com seus status e localização Charge Time se refere a velocidade da arma. Armas que são obtidas através do Bazaar estão apenas com o nome com que elas aparecerão lá. Um guia detalhando os passos para montá-las será feito em breve. Obs 1 - Dados tirados da Wikia do jogo, alguns estão sujeitos a alteração pois podem não estar corretos. Obs 2 - A maior parte das armas que estão em baús não possuem 100% de chance de aparecer. One-Handed Swords Oferecem um bom balanço entre velocidade, consistência e poder. Assim como todas as armas de uma mão (One-Handed), permitem o uso de escudo. Dano é calculado baseado na Strength (força) do personagem, ataque da arma e defesa do alvo. Todas elas, exceto a Stoneblade, adicionam +5 de evasão. Jobs que podem utilizá-las - Knights (todas elas), Time Battlemage (apenas algumas, precisa de Esper) e Bushi (apenas a Bloodsword, precisa de Esper). Fórmula de dano Mithril Sword Attack - 14

(FF XII) Detonado basicão, direto ao ponto, com mapas e sem spoilers!

Introdução (História) BOSS: Remora Airship Continue subindo, use o mapa se necessário, há vários inimigos, mas você não precisa matar todos, no caminho há dois itens em baús, aproxime-se deles e pressione (circulo) para pegá-los. Na próxima área existe um Save Crystal, salve seu jogo e continue subindo. Depois de matar os soldados, prossiga e entre pela porta, vão acontecer algumas cenas, o jogo propriamente dito começará. The Royal City of Rabanastre with Vaan ( Mapa do castelo ) ( Mapa da Cidade )  (História) Como Vaan, mate os 3 ratos. Encontre Penelo ao norte e depois vá até a loja de itens para falar com Migelo e em seguida as lojas serão liberadas.Vá para o restaurante Sand Sea e fale com Tomaji, para receber o acessório Oluakea Bangle e sua primeira Mob Hunt, além disso, Clan Report e License são liberados no menu. Clan Report tem as mob hunts, com os nomes dos monstros, mapa do cliente (aperte quadrado) e algumas vezes o nome do lugar onde o monstro está, também te

(FF XII) Espers (summons) e suas localizações

Por André Anastácio É importante lembrar como funcionam os Espers de Final Fantasy XII. Para obter um Esper, primeiro é preciso vencê-lo em combate (alguns serão encontrados ao longo da história e outros são opcionais) e após isso, associá-lo a algum personagem através do quadro de licenças. Quando for derrotado, o Esper irá aparecer disponível no quadro de licença de todos os personagens, mas apenas um poderá tê-lo. Sendo assim, é importante decidir qual Esper irá para cada personagem especialmente pelo motivo de os Espers poderem estar bloqueando espaços específicos do quadro de licença em alguns Jobs. Diferentemente da versão original, na Zodiac System os Espers utilizam a barra de Quickening (que ficam abaixo no nome dos personagens) ao invés de MP para serem invocados. Outra adição é o fato deles poderem ser diretamente controlados. Por poderem ser controlados, é possível utilizar seus ataques especiais sem precisar cumprir as (complexas) condições necessárias anteriormente.