Pular para o conteúdo principal

14) Visita noturna


Ainda era noite. Depois que deixei Maise em casa, tentei relaxar tocando. Apesar de ter escolhido uma composição que combinava com meu estado de espírito, não consegui me abandonar à música. Também não consegui me prender na leitura. Nada parecia capaz de tirá-la de minha mente. Acabei me dando por vencido.

Sentei na varanda com o céu estrelado sob minha cabeça e o ruído pacificador no mar ao fundo e deixei os pensamentos vagarem a vontade. E mesmo isto não foi o suficiente. Ao contrário, apenas aprofundou o desejo de estar novamente com ela, ao menos próximo. Foi quando cometi a insanidade de voar até sua cabana, apenas para estar perto.

Estava trapaceando, enganando-me. Sabia disto. Não iria conseguir apenas ficar do lado de fora, mas seria demais admitir isto inteiro. Tinha que engolir pequenas partes de cada vez desta esquisita doença que me tomava o controle assim.

Exceto por uma fraca luminosidade, parecia que já tinha ido dormir. Fiquei em sua varanda alguns momentos, tentando ouvir e tudo estava em silêncio quando passei para o lado de dentro, não sem receio. Já que vira minhas asas, não adiantaria ficar imaterial, porque continuaria visível para ela. Se ela estivesse acordada eu realmente estaria em apuros, sem ter como me explicar. O que poderia dizer?

“Oi. Não consegui ficar longe e por isto estou invadindo sua casa e sua privacidade.” – Imaginei a cena e sua expressão incrédula. Ah! O que estava fazendo? Tinha que ir embora. Este comportamento era lamentável.

Ouvi um pequeno soluço e olhei para a cama. Ela estava dormindo, segurando um livro. Ainda tinha vestígios de lágrimas em seu rosto.

“Porque chorara?” – A idéia dela sofrendo me fez mal. O que a entristecera assim? Teria encontrado notícias ruins nas coisas de seu pai?

Olhei para a cabana, mas tudo parecia igual. O caixote estava fechado.

A tela continuava virada para a parede e senti comichões de tanta vontade de desvirá-lo, mas não podia. Ao menos isto eu faria: já que não tive a decência de respeitar seu espaço, ao menos poderia não remexer em suas coisas. Se ela quisesse, mostraria.

Ela continuava soluçando de vez em quando e eu sentia um aperto no peito a cada um deles. Vontade de deitar-me ao seu lado, colocar sua cabeça em meus braços e tocar seus cabelos para a confortar. Fui embora antes que perdesse o miserável fio de controle que restava.

Esperei pelo amanhecer na praia, sentado em minha pedra. Sabia que ela não viria, não hoje ao menos. Devia ter dormido tarde e o choro certamente a teria deixado ainda mais cansada. Acordaria tarde.

Enquanto esperava, pensei em todas as providências para me ausentar por alguns dias, talvez uma semana. Iria para casa, em Celes, desintoxicar das energias pesadas absorvidas diariamente para manter o corpo humano. Certamente era isto que estava me perturbando. Estes pensamentos mais práticos tiveram o dom de me acalmar e quando o sol surgiu, energizei-me rapidamente e voltei para casa.

Preparei tudo devagar. Visitei o complexo, conversei com meus assistentes, tomamos algumas decisões e estava tudo pronto no início da tarde. Queria apenas me despedir de Maise, para ter certeza de que ficaria bem durante minha ausência.

Voei novamente até sua cabana. Tudo continuava em silêncio, mas as janelas estavam abertas. Bati na porta e aguardei. Como não respondeu, olhei pela janela e não a vi.

“Deve estar na praia.” – Pensei e fui em direção à trilha. Assim que dei na praia eu a vi, virada para o mar e de costas para mim. Estava pintando. Fui me aproximando e logo pude ver o que pintava. Aquela parte da praia, o mar, as pedras e eu??? Recuei com o susto e voltei para a trilha. Oculto agora pela vegetação, observei-a ao mesmo tempo em que tentava compreender o que vira.

“Então ela também pensa em mim?” – Não queria, mas pensar nisto me deixou mais feliz. Tentei sem sucesso não sorrir e senti-me meio bobo por estar tão contente só porque ela estava me pintando.

Voltei para casa devagar. Agora mais do que nunca sabia que teria que me afastar.



Texto registrado no Literar

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

(FF XII) TÁ TUDO AQUI! (detonados, história, summons, mapas, dicas, gil, rare itens, farms) Só clicar.

           Responsável: Neiva  - Posts:  Neiva , André  - Colaboração:  Emanuel Traduções: Bruno , Jackson ,  Mário , Thiago , Bruno B. LEIA ISTO PRIMEIRO  SOBRE FFXII Itens perdíveis e dungeons não retornáveis História completa em português   O filme completo em inglês TRADUÇÃO EM PORTUGUÊS BR O mundo de Ivalice Raças MONTANDO A EQUIPE Personagens Como combinar classes Simulador de combos de classes SISTEMA DE COMBATE Equipe Killer Neiva   Sobre o sistema de combate e Gambits Equipe Killer André Todos os Gambits Todas as magias e técnicas MEU JOGO (NEIVA) Buffs e Debuffs Primeiras impressões Atributos Introdução Zodiac System e seu sistema de classes A Cidade Real de Rabanastre Drops raros com chains e monographs O Portão Leste Downtown EQUIPÁVEIS O Palácio R

(FF XII) Espers (summons) e suas localizações

Por André Anastácio É importante lembrar como funcionam os Espers de Final Fantasy XII. Para obter um Esper, primeiro é preciso vencê-lo em combate (alguns serão encontrados ao longo da história e outros são opcionais) e após isso, associá-lo a algum personagem através do quadro de licenças. Quando for derrotado, o Esper irá aparecer disponível no quadro de licença de todos os personagens, mas apenas um poderá tê-lo. Sendo assim, é importante decidir qual Esper irá para cada personagem especialmente pelo motivo de os Espers poderem estar bloqueando espaços específicos do quadro de licença em alguns Jobs. Diferentemente da versão original, na Zodiac System os Espers utilizam a barra de Quickening (que ficam abaixo no nome dos personagens) ao invés de MP para serem invocados. Outra adição é o fato deles poderem ser diretamente controlados. Por poderem ser controlados, é possível utilizar seus ataques especiais sem precisar cumprir as (complexas) condições necessárias anteriormente.

(FF XII) Hunts (caçadas)

Por André Anastácio  A sidequest mais conhecida de Final fantasy XII com certeza é a caça aos 45 marks do jogo. Marks são monstros poderosos, que precisam ser eliminados para, de alguma forma, alguma pessoa ser beneficiada com isso.  Agora é hora demostrar como detonar essas missões paralelas. Verificando o quadro que fica nos bares das cidades (Rabanastre, Bhujerba, Baifonheim), você pode aceitar pedidos para caçar Marks. Eles vão aparecendo conforme seu Rank de caçador subir, e ele sobe conforme você mata mais Marks e inimigos. Aceitando um pedido, você deve ir falar com o cliente antes de sair para matar o monstro. Quando falar com a pessoa em questão, a mensagem "The Hunt Begins" aparece na tela, e aí é só ir caçar o bicho. E lembre-se de retornar ao cliente quando acabar a missão para pegar sua recompensa. P.S.: É altamente recomendável sempre dar steal (para roubar itens) nos monstros de caçadas pois alguns deles oferecem itens EXCELENTES e que você p

(FF XII) Lista de todas as armas, status e localização

Por André Anastácio Lista completa das armas com seus status e localização Charge Time se refere a velocidade da arma. Armas que são obtidas através do Bazaar estão apenas com o nome com que elas aparecerão lá. Um guia detalhando os passos para montá-las será feito em breve. Obs 1 - Dados tirados da Wikia do jogo, alguns estão sujeitos a alteração pois podem não estar corretos. Obs 2 - A maior parte das armas que estão em baús não possuem 100% de chance de aparecer. One-Handed Swords Oferecem um bom balanço entre velocidade, consistência e poder. Assim como todas as armas de uma mão (One-Handed), permitem o uso de escudo. Dano é calculado baseado na Strength (força) do personagem, ataque da arma e defesa do alvo. Todas elas, exceto a Stoneblade, adicionam +5 de evasão. Jobs que podem utilizá-las - Knights (todas elas), Time Battlemage (apenas algumas, precisa de Esper) e Bushi (apenas a Bloodsword, precisa de Esper). Fórmula de dano Mithril Sword Attack - 14

(FF XII) Detonado basicão, direto ao ponto, com mapas e sem spoilers!

Introdução (História) BOSS: Remora Airship Continue subindo, use o mapa se necessário, há vários inimigos, mas você não precisa matar todos, no caminho há dois itens em baús, aproxime-se deles e pressione (circulo) para pegá-los. Na próxima área existe um Save Crystal, salve seu jogo e continue subindo. Depois de matar os soldados, prossiga e entre pela porta, vão acontecer algumas cenas, o jogo propriamente dito começará. The Royal City of Rabanastre with Vaan ( Mapa do castelo ) ( Mapa da Cidade )  (História) Como Vaan, mate os 3 ratos. Encontre Penelo ao norte e depois vá até a loja de itens para falar com Migelo e em seguida as lojas serão liberadas.Vá para o restaurante Sand Sea e fale com Tomaji, para receber o acessório Oluakea Bangle e sua primeira Mob Hunt, além disso, Clan Report e License são liberados no menu. Clan Report tem as mob hunts, com os nomes dos monstros, mapa do cliente (aperte quadrado) e algumas vezes o nome do lugar onde o monstro está, também te