Pular para o conteúdo principal

17) Café da manhã com Adriel


Ao abrir os olhos a primeira coisa que vi foi Adriel, sentado em uma poltrona na lateral da cama, parecendo adormecido. Fiquei alguns instantes admirando-o. Como era possível que fosse ainda mais belo de olhos fechados?

- Adriel. – Chamei baixinho. Ele abriu os olhos e sorriu, levantando-se e vindo para mais perto.

- Oi. Tudo bem? – Perguntou. Lógico que estava tudo bem. Como não estaria acordando com esta visão e se ele sorria daquele jeito? Queria acordar assim todos os dias de minha vida.

- Sim. Tive um sonho esquisito. Não me recordo direito. Parece que tinha um gatinho. – Não ia contar que ele me salvava de uma queda e que me agarrava a ele como cola super bonder e menos ainda do quanto tinha gostado de estar em seus braços.

- Onde estou? É sua casa? Por quê? – Olhei para o quarto, admirando a elegância da decoração em tons pastéis, com alguns toques de rosa. Clássico e feminino, sem exageros. Só podia ser sua casa, mas duvidava que fosse seu quarto.

- Não foi um sonho, Maise. Aconteceu de verdade. Não fique preocupada. Você está segura, agora. E sim, é minha casa. Está em um quarto de hóspedes. Aqui podia cuidar melhor de você – Falou tudo isto pausadamente, sentado na lateral da cama e com uma das mãos tocando meu punho, como se me tranqüilizando.

Lembrei então de tudo, de subir até o topo, do gatinho unhando meu rosto, de ter se transformado em uma bruxa e de Adriel, surgindo no momento exato em que estava caindo. Recordei envergonhada que realmente tinha agarrado-o quando estava voando em seus braços. “Peraí! Voando?”

- Hummm... Então foi real? Pensei que era minha imaginação fértil de artista. – Não consegui resistir a esta pequena ironia. Ele gargalhou.

- E eu preocupado que estivesse abalada emocionalmente! Você é incrível, Maise.

- Quer dizer que não apenas tem asas como voa? Você é um anjo ou algo parecido?

- Algo parecido. – Disse lacônico, mas não estava disposta a encerrar o assunto.

- Como assim?

- Vou explicar depois, prometo. Agora não é hora. Deve estar com fome e sede e precisamos cuidar de seus machucados. O que acha de tomar um banho e me encontrar na varanda? - Estava mesmo com fome, sede, com vontade de ir ao toalete e só por isto concordei.

- Ok. Não pense que vou esquecer. Você prometeu. – Levantei assim que a porta se fechou. No banheiro igualmente elegante foi impossível não me ver inteira no imenso espelho. Eu parecia uma indigente atropelada! O rosto, além de todo arranhado e inchado, tinha rastros de sangue seco, as pernas e braços estavam machucados e as roupas sujas e rasgadas.

- Meu Deus! E pensar que ele me viu assim! Que horror! – Tomei banho com cuidado para não machucar mais, coloquei roupas que encontrei no quarto – “Que gentil! Deve ter ido buscar enquanto eu dormia!” – E saí à procura da varanda. Passando pela sala, admirei mais uma vez seu bom gosto.

Era dia claro. Dormi toda a noite? Na varanda ele estava esperando próximo a uma mesa farta, linda e com flores. Segurou a cadeira enquanto me sentava.

- Coma, querida. Depois do café, Tana, minha assistente, cuidará de seus machucados. Ela tem uma poção milagrosa e logo não haverá mais o menor sinal em seu rosto, não se preocupe. – Ele deve ter notado o quanto estava envergonhada pela minha aparência grotesca.

Enquanto comemos, contei-lhe todos os detalhes de minha subida na árvore. A esta altura dos acontecimentos, tomando café da manhã ao lado de um anjo com imensas e brancas asas, não parecia tão irreal e tudo era perfeitamente possível e normal, até mesmo gatinhos que viram bruxas.

- Adriel, obrigada. Por ter chegado na hora certa, por ter me salvo e agora, todo este cuidado. Você é muito gentil. Muito obrigada mesmo!

- Maise, não tem porque agradecer. Fico feliz em ter ouvido seu chamado e ter chegado a tempo. Fico arrepiado só em pensar o que teria acontecido...

- Você sabe quem tentou me matar? E por quê? – Quando pensava nisto seriamente, sentia medo.

- Não, querida. Não tenho a menor idéia, mas estou fazendo o possível para descobrir. – Ele me chamou de querida, de novo???

- Você acredita em mim, não é? – Tinha que perguntar isto.

- Vi você lá, Maise. Não penso que teria subido até aquele galho e se pendurado por vontade própria. Por mais que pareça inacreditável, só pode ser verdade e temos que saber quem foi e a razão. Você tem alguma suspeita? Deixou alguém em sua cidade que a odeie a este ponto? Está fugindo de alguém?

- Não. Lógico que não. Também não conheço ninguém capaz de se transformar. Aliás, até vir para Portal do Sol, nunca acreditei nestas coisas. Até conhecer você, aliás.

- Ah, sim. Claro. – Ele fugiu da deixa, não parecendo disposto a conversar, pensativo. Tudo bem, eu podia esperar.

Terminamos o café e fomos para a sala. Ele chamou por Tana, que entrou rapidamente.

Tana era uma senhora de meia idade. Um pouco acima do peso. Cabelos em coque, óculos, vestido até os joelhos e avental.

- Oh, pequena, como vai? Dormiu bem? O café estava bom? – Pegou minhas duas mãos, olhando-me inteira e continuou antes que pudesse responder. – Está tão magrinha. Não deve estar se alimentando bem naquela tapera miserável onde está vivendo. Pobrezinha!

Falando sem parar foi levando-me até o sofá onde deitou-me. Abriu a cesta que trouxera e tirou alguns potinhos que colocou na mesinha próxima. Mandou fechar os olhos e senti que estava passando algo pelos ferimentos do rosto e depois das pernas e braços. Examinou a barriga para ver se tinha machucados lá também e por fim, o colo. Pegou em meu medalhão e parou subitamente com a enxurrada de palavras. Abri os olhos e ela estava observando-o fixamente.

- Onde conseguiu isto, menina? – Perguntou com voz séria.

- Ganhei de minha mãe em meu aniversário. – Respondi intrigada. – Por quê?

- Bonito. Agora não se preocupe mais com nada. Já cuidei de todos os machucados. Espere algumas horas e depois tome outro banho para tirar a pomada.

- Sim. Obrigada. – Estranhei sua mudança. Adriel e ela trocaram um olhar esquisito, como se estivessem conversando e ambos pareciam contrariados. Despediu-se rapidamente e saiu.

- Adriel, o que houve? Ela conhece meu medalhão?

- Nada, Maise. Não se preocupe. Tana é assim mesmo. Pode aguardar aqui um instante? – Saiu pela mesma porta atrás de Tana.

Estranho. Era a segunda vez que alguém tinha esta reação ao ver o medalhão. O que disse a mulher na casa de Antônio? Que era o símbolo da proteção das Fadas?

Fadas! Era só o que estava faltando. Afinal, depois de anjos e bruxas o que haveria demais em fadas? Nada, absolutamente nada! Era mesmo de se estranhar que ainda não tivesse topado com uma. Este lugar era mesmo surreal ou eu é que estava endoidando sem perceber?

Para falar a verdade, se endoidar significava ser chamada de querida por um anjo maravilhosamente belo com um sorriso estonteante que me deixa com borboletas no estômago e pernas trêmulas... Bom... Talvez as pessoas valorizassem demais isto que chamam de sanidade.



Texto registrado no Literar.

Versão em texto simples para impressão aqui.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

(FF XII) TÁ TUDO AQUI! (detonados, história, summons, mapas, dicas, gil, rare itens, farms) Só clicar.

           Responsável: Neiva  - Posts:  Neiva , André  - Colaboração:  Emanuel Traduções: Bruno , Jackson ,  Mário , Thiago , Bruno B. LEIA ISTO PRIMEIRO  SOBRE FFXII Itens perdíveis e dungeons não retornáveis História completa em português   O filme completo em inglês TRADUÇÃO EM PORTUGUÊS BR O mundo de Ivalice Raças MONTANDO A EQUIPE Personagens Como combinar classes Simulador de combos de classes SISTEMA DE COMBATE Equipe Killer Neiva   Sobre o sistema de combate e Gambits Equipe Killer André Todos os Gambits Todas as magias e técnicas MEU JOGO (NEIVA) Buffs e Debuffs Primeiras impressões Atributos Introdução Zodiac System e seu sistema de classes A Cidade Real de Rabanastre Drops raros com chains e monographs O Portão Leste Downtown EQUIPÁVEIS O Palácio R

(FF XII) Hunts (caçadas)

Por André Anastácio  A sidequest mais conhecida de Final fantasy XII com certeza é a caça aos 45 marks do jogo. Marks são monstros poderosos, que precisam ser eliminados para, de alguma forma, alguma pessoa ser beneficiada com isso.  Agora é hora demostrar como detonar essas missões paralelas. Verificando o quadro que fica nos bares das cidades (Rabanastre, Bhujerba, Baifonheim), você pode aceitar pedidos para caçar Marks. Eles vão aparecendo conforme seu Rank de caçador subir, e ele sobe conforme você mata mais Marks e inimigos. Aceitando um pedido, você deve ir falar com o cliente antes de sair para matar o monstro. Quando falar com a pessoa em questão, a mensagem "The Hunt Begins" aparece na tela, e aí é só ir caçar o bicho. E lembre-se de retornar ao cliente quando acabar a missão para pegar sua recompensa. P.S.: É altamente recomendável sempre dar steal (para roubar itens) nos monstros de caçadas pois alguns deles oferecem itens EXCELENTES e que você p

(FF XII) Espers (summons) e suas localizações

Por André Anastácio É importante lembrar como funcionam os Espers de Final Fantasy XII. Para obter um Esper, primeiro é preciso vencê-lo em combate (alguns serão encontrados ao longo da história e outros são opcionais) e após isso, associá-lo a algum personagem através do quadro de licenças. Quando for derrotado, o Esper irá aparecer disponível no quadro de licença de todos os personagens, mas apenas um poderá tê-lo. Sendo assim, é importante decidir qual Esper irá para cada personagem especialmente pelo motivo de os Espers poderem estar bloqueando espaços específicos do quadro de licença em alguns Jobs. Diferentemente da versão original, na Zodiac System os Espers utilizam a barra de Quickening (que ficam abaixo no nome dos personagens) ao invés de MP para serem invocados. Outra adição é o fato deles poderem ser diretamente controlados. Por poderem ser controlados, é possível utilizar seus ataques especiais sem precisar cumprir as (complexas) condições necessárias anteriormente.

(FF XII) Detonado basicão, direto ao ponto, com mapas e sem spoilers!

Introdução (História) BOSS: Remora Airship Continue subindo, use o mapa se necessário, há vários inimigos, mas você não precisa matar todos, no caminho há dois itens em baús, aproxime-se deles e pressione (circulo) para pegá-los. Na próxima área existe um Save Crystal, salve seu jogo e continue subindo. Depois de matar os soldados, prossiga e entre pela porta, vão acontecer algumas cenas, o jogo propriamente dito começará. The Royal City of Rabanastre with Vaan ( Mapa do castelo ) ( Mapa da Cidade )  (História) Como Vaan, mate os 3 ratos. Encontre Penelo ao norte e depois vá até a loja de itens para falar com Migelo e em seguida as lojas serão liberadas.Vá para o restaurante Sand Sea e fale com Tomaji, para receber o acessório Oluakea Bangle e sua primeira Mob Hunt, além disso, Clan Report e License são liberados no menu. Clan Report tem as mob hunts, com os nomes dos monstros, mapa do cliente (aperte quadrado) e algumas vezes o nome do lugar onde o monstro está, também te

Xenoblade Chronicles 3 - Lista de todos os Debuffs do jogo e seu significado

Xenoblade Chronicles 3 possui uma grande variedades de Debuffs, que quando usados corretamente podem dar grandes vantagens durante as lutas. Trata-se de efeitos que podem ser ativados em combate e que trazem algum tipo de consequência negativa para o alvo, como redução de ataque, defesa ou efeitos que causam dano periódico. Vale lembrar que alguns debuffs (como Eclipse Soul e  Moebius Shackles) são exclusivos para bosses até o momento. Segue uma lista de todos os Debuffs do jogo juntamente com seu ícone e seu significado para que sejam mais facilmente identificados. Attack Down (Ataque diminuído) - Reduz o dano causado ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- Phys. Def. Down (Defesa Física Diminuída) - Reduz a defesa física ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- Ether Defense Down (Defesa de Ether Diminuída) - Reduz a defese de Ether --