sábado, 13 de junho de 2009

17) Café da manhã com Adriel


Ao abrir os olhos a primeira coisa que vi foi Adriel, sentado em uma poltrona na lateral da cama, parecendo adormecido. Fiquei alguns instantes admirando-o. Como era possível que fosse ainda mais belo de olhos fechados?

- Adriel. – Chamei baixinho. Ele abriu os olhos e sorriu, levantando-se e vindo para mais perto.

- Oi. Tudo bem? – Perguntou. Lógico que estava tudo bem. Como não estaria acordando com esta visão e se ele sorria daquele jeito? Queria acordar assim todos os dias de minha vida.

- Sim. Tive um sonho esquisito. Não me recordo direito. Parece que tinha um gatinho. – Não ia contar que ele me salvava de uma queda e que me agarrava a ele como cola super bonder e menos ainda do quanto tinha gostado de estar em seus braços.

- Onde estou? É sua casa? Por quê? – Olhei para o quarto, admirando a elegância da decoração em tons pastéis, com alguns toques de rosa. Clássico e feminino, sem exageros. Só podia ser sua casa, mas duvidava que fosse seu quarto.

- Não foi um sonho, Maise. Aconteceu de verdade. Não fique preocupada. Você está segura, agora. E sim, é minha casa. Está em um quarto de hóspedes. Aqui podia cuidar melhor de você – Falou tudo isto pausadamente, sentado na lateral da cama e com uma das mãos tocando meu punho, como se me tranqüilizando.

Lembrei então de tudo, de subir até o topo, do gatinho unhando meu rosto, de ter se transformado em uma bruxa e de Adriel, surgindo no momento exato em que estava caindo. Recordei envergonhada que realmente tinha agarrado-o quando estava voando em seus braços. “Peraí! Voando?”

- Hummm... Então foi real? Pensei que era minha imaginação fértil de artista. – Não consegui resistir a esta pequena ironia. Ele gargalhou.

- E eu preocupado que estivesse abalada emocionalmente! Você é incrível, Maise.

- Quer dizer que não apenas tem asas como voa? Você é um anjo ou algo parecido?

- Algo parecido. – Disse lacônico, mas não estava disposta a encerrar o assunto.

- Como assim?

- Vou explicar depois, prometo. Agora não é hora. Deve estar com fome e sede e precisamos cuidar de seus machucados. O que acha de tomar um banho e me encontrar na varanda? - Estava mesmo com fome, sede, com vontade de ir ao toalete e só por isto concordei.

- Ok. Não pense que vou esquecer. Você prometeu. – Levantei assim que a porta se fechou. No banheiro igualmente elegante foi impossível não me ver inteira no imenso espelho. Eu parecia uma indigente atropelada! O rosto, além de todo arranhado e inchado, tinha rastros de sangue seco, as pernas e braços estavam machucados e as roupas sujas e rasgadas.

- Meu Deus! E pensar que ele me viu assim! Que horror! – Tomei banho com cuidado para não machucar mais, coloquei roupas que encontrei no quarto – “Que gentil! Deve ter ido buscar enquanto eu dormia!” – E saí à procura da varanda. Passando pela sala, admirei mais uma vez seu bom gosto.

Era dia claro. Dormi toda a noite? Na varanda ele estava esperando próximo a uma mesa farta, linda e com flores. Segurou a cadeira enquanto me sentava.

- Coma, querida. Depois do café, Tana, minha assistente, cuidará de seus machucados. Ela tem uma poção milagrosa e logo não haverá mais o menor sinal em seu rosto, não se preocupe. – Ele deve ter notado o quanto estava envergonhada pela minha aparência grotesca.

Enquanto comemos, contei-lhe todos os detalhes de minha subida na árvore. A esta altura dos acontecimentos, tomando café da manhã ao lado de um anjo com imensas e brancas asas, não parecia tão irreal e tudo era perfeitamente possível e normal, até mesmo gatinhos que viram bruxas.

- Adriel, obrigada. Por ter chegado na hora certa, por ter me salvo e agora, todo este cuidado. Você é muito gentil. Muito obrigada mesmo!

- Maise, não tem porque agradecer. Fico feliz em ter ouvido seu chamado e ter chegado a tempo. Fico arrepiado só em pensar o que teria acontecido...

- Você sabe quem tentou me matar? E por quê? – Quando pensava nisto seriamente, sentia medo.

- Não, querida. Não tenho a menor idéia, mas estou fazendo o possível para descobrir. – Ele me chamou de querida, de novo???

- Você acredita em mim, não é? – Tinha que perguntar isto.

- Vi você lá, Maise. Não penso que teria subido até aquele galho e se pendurado por vontade própria. Por mais que pareça inacreditável, só pode ser verdade e temos que saber quem foi e a razão. Você tem alguma suspeita? Deixou alguém em sua cidade que a odeie a este ponto? Está fugindo de alguém?

- Não. Lógico que não. Também não conheço ninguém capaz de se transformar. Aliás, até vir para Portal do Sol, nunca acreditei nestas coisas. Até conhecer você, aliás.

- Ah, sim. Claro. – Ele fugiu da deixa, não parecendo disposto a conversar, pensativo. Tudo bem, eu podia esperar.

Terminamos o café e fomos para a sala. Ele chamou por Tana, que entrou rapidamente.

Tana era uma senhora de meia idade. Um pouco acima do peso. Cabelos em coque, óculos, vestido até os joelhos e avental.

- Oh, pequena, como vai? Dormiu bem? O café estava bom? – Pegou minhas duas mãos, olhando-me inteira e continuou antes que pudesse responder. – Está tão magrinha. Não deve estar se alimentando bem naquela tapera miserável onde está vivendo. Pobrezinha!

Falando sem parar foi levando-me até o sofá onde deitou-me. Abriu a cesta que trouxera e tirou alguns potinhos que colocou na mesinha próxima. Mandou fechar os olhos e senti que estava passando algo pelos ferimentos do rosto e depois das pernas e braços. Examinou a barriga para ver se tinha machucados lá também e por fim, o colo. Pegou em meu medalhão e parou subitamente com a enxurrada de palavras. Abri os olhos e ela estava observando-o fixamente.

- Onde conseguiu isto, menina? – Perguntou com voz séria.

- Ganhei de minha mãe em meu aniversário. – Respondi intrigada. – Por quê?

- Bonito. Agora não se preocupe mais com nada. Já cuidei de todos os machucados. Espere algumas horas e depois tome outro banho para tirar a pomada.

- Sim. Obrigada. – Estranhei sua mudança. Adriel e ela trocaram um olhar esquisito, como se estivessem conversando e ambos pareciam contrariados. Despediu-se rapidamente e saiu.

- Adriel, o que houve? Ela conhece meu medalhão?

- Nada, Maise. Não se preocupe. Tana é assim mesmo. Pode aguardar aqui um instante? – Saiu pela mesma porta atrás de Tana.

Estranho. Era a segunda vez que alguém tinha esta reação ao ver o medalhão. O que disse a mulher na casa de Antônio? Que era o símbolo da proteção das Fadas?

Fadas! Era só o que estava faltando. Afinal, depois de anjos e bruxas o que haveria demais em fadas? Nada, absolutamente nada! Era mesmo de se estranhar que ainda não tivesse topado com uma. Este lugar era mesmo surreal ou eu é que estava endoidando sem perceber?

Para falar a verdade, se endoidar significava ser chamada de querida por um anjo maravilhosamente belo com um sorriso estonteante que me deixa com borboletas no estômago e pernas trêmulas... Bom... Talvez as pessoas valorizassem demais isto que chamam de sanidade.



Texto registrado no Literar.

Versão em texto simples para impressão aqui.


0 comentários:

Posts relacionados: