quarta-feira, 5 de agosto de 2009

41) O jovem Niis


(narrador)

Niis era um gnomo jovem e ele preferia a palavra jovem à palavra criança, pois ainda que para os padrões terrestres tivesse apenas 12 anos, tinha já seus quase 100 anos no correr dos anos etéricos. O que era considerado pouco até mesmo para estes, mas ele preferia desconsiderar este detalhe e todos achavam graça, satisfazendo seu desejo e chamando-o de Jovem Niis.

Todos exceto a elfa Eileen, que justamente por saber de suas objeções ao termo criança, propositalmente só o chamava assim ou, pior ainda, de neném. O resultado desta afronta era que Niis odiava Eileen quase tanto quanto amava a princesa Luna e quando esta fugiu, teve certeza de que Eileen era culpada. O que resultou em ainda mais raiva desta.

No decorrer dos anos aprendeu a desaparecer de todo e qualquer lugar onde Eileen estivesse negando-lhe a saciedade do ato de sadismo, mas espionava sistematicamente a bruxa - como a denominava - sem que esta soubesse, na esperança de encontrar pistas de sua Luna.

Quando seu pai, Gnon Knur, recebeu a tarefa de proteger uma jovem no mundo exterior, pressentiu que tinha algo a ver com ela e foi em segredo até a cabana. Tão logo viu os olhos de Maise soube que era a filha de Luna e todo o amor represado foi transferido imediatamente. De nada adiantaram os castigos de seu pai: era impossível retirar Niis da frente da cabana ou de onde quer que estivesse Maise. Acabou por ser considerado um membro da guarda permanente, o que o enchia de orgulho e andava até meio estufado na tentativa de parecer maior e mais forte, enchendo de risos os companheiros.

Agora lamentava ter cedido à curiosidade pelo pronunciamento da Rainha. Se tivesse permanecido em seu posto, Maise não teria sido envenenada e não estaria à beira da morte. Pensava nisto, totalmente infeliz, enquanto aguardava por notícias na praia com todos os outros encantados.

A noite ia já pela metade e dentro da casa, todos esperavam pelo retorno de Elros, cada um fazendo suas preces da forma como acreditava. Fadas cantavam e vibravam na sala. Adriel e Eliah, que chegara pouco antes, ajoelhados ao lado da cama de Maise, oravam com fervor, suplicando ajuda divina. Ambos tentaram, sem resultado, a cura através da imposição de mãos. Agora, apenas pediam como último recurso.

O tumulto de vozes levou-os rapidamente para a sala. Era Elros que retornava, sangrando, muito machucado. Contou-lhes que os elfos negros haviam preparado uma cilada imaginando que iriam até lá disfarçados, que não teve chance alguma e só por muita habilidade conseguira escapar de ser morto ou feito prisioneiro. Não havia a menor possibilidade de conseguirem a planta necessária para o antídoto do veneno.

O desespero jorrou, espesso, pelo ambiente. Todas as esperanças estavam no sucesso de Elros e com seu fracasso ninguém mais imaginava o que fazer. Pequenos grupos formaram-se a cada canto. Alguns choravam, outros apenas observavam a rainha e alguns aventavam possibilidades apenas para descartarem em seguida.

Adriel retornou calado para o quarto de Maise e desabou na poltrona em frente à sua cama, desnorteado. A rainha, as fadas de cura, Tana e Eliah entraram em seguida.

As horas passavam rápido enquanto buscavam uma solução. O coração de Maise enfraquecia rapidamente. Adriel deixou a discussão e sentou ao lado da cama, pegando em suas mãos.

- Maise, amor, perdão. Não posso fazer nada. – Ele dizia, baixinho, sem conseguir vê-la direito por sob a cortina de águas que desciam por seus olhos, dele que nem sabia que um anjo poderia chorar.

- Adriel, veja! – Eliah apontava para Maise. Adriel enxugou os olhos. Pela face de Maise rolava solitária uma lágrima.

- Minha neta! Ela está consciente. Sabe o que está acontecendo. – Exclamou a rainha. – Minha querida, não chore. Não vou perder você também. – Disse isto e chamou todos os encantados para fora do quarto.

- Tem algo que posso fazer. É muito perigoso, mas é nossa única possibilidade e vou tentar. – Disse. - Quero fazer um Encantamento de Absorção para retirar dela o veneno.

- Majestade, o veneno irá para seu corpo e a matará. – Disse Sili assustada.

- Não se houver uma barreira mágica para meu corpo. Todos os encantados estão aqui e poderão proteger-me se fizerem um círculo mágico. – Respondeu.

- É arriscado mesmo assim. – Ponderou Tana.

- Eu quero fazer. É minha neta. Não vou deixar que morra sem tentar impedir. Vamos falar com os encantados.

Na varanda ela pediu silêncio e em rápidas palavras expôs a situação atual e sua idéia. Os encantados rapidamente começaram a organização. As Salamandras, Elementais do Fogo, deram as mãos às Sílfides, Elementais do Ar e às Ondinas, Elementais da Água e estas às Fadas e Gnomos, Elementais da Terra, fechando o círculo que envolvia toda a casa. Niis não ficaria de fora e tanto insistiu que foi aceito, dando as mãos a seus pais.

A rainha, vendo que estavam prontos, pediu que entoassem canções de proteção visualizando-a e que não parassem e não quebrassem o círculo enquanto não recebessem tal instrução.

Retornando ao quarto, solicitou que outro círculo menor fosse feito em torno de si pelos que ali estavam e uma vez dentro deste ergueu ambos os braços, com as palmas das mãos voltadas em direção à Maise e iniciou o pronunciamento do encantamento, com palavras mágicas incompreensíveis para os presentes.

Adriel via a energia protetora que chegava dos dois círculos e cobria-a com grossa camada. Observando Maise atentamente, viu que uma fumaça enegrecida saia de seu corpo, aos poucos, como se relutantemente.

O esforço da rainha era visível e persistindo no pronunciamento a fumaça continuou a sair até tornar-se uma forma à parte, permanecendo ainda acima de Maise e por vezes tentando retornar a seu corpo.

Quase como uma entidade viva, parecendo perceber a impossibilidade do retorno, dirigiu-se ao corpo de quem a retirou de sua hospedeira. Pairou por cima da cabeça da rainha e tentou penetrar de uma vez. Sendo rechaçada, rodeou seu corpo lentamente, investindo aleatoriamente em vários pontos. Mesmo não encontrando um ponto de entrada, continuou estocando.

A rainha mudou o ritmo de voz, entoando agora de forma autoritária e a massa esfumaçada começou a recuar lentamente em direção à janela.

Lá fora o círculo cantava com entusiasmo, espelhando o orgulho dos encantados pela participação na cura da princesa e proteção da rainha. Os elementais da água agitavam-se como em uma tempestade, os de vento assemelhavam-se a pequenos tornados e os de fogo soltavam labaredas incandescentes aos céus.

Uma destas labaredas chocou-se com um braço de vento sendo jogada acidentalmente em direção aos gnomos e atingindo Niis e seus pais. Este estava com os olhos fechados e ao sentir as fagulhas de fogo queimando-o em diferentes partes do corpo, soltou as mãos de seus pais, rompendo o círculo e quebrando a concentração de todos.

Seus pais que tinham visto o acidente, sabendo da pouca gravidade dos ferimentos perante a importância do círculo deixaram-no de fora e uniram as mãos fechando novamente o círculo. Foi apenas um segundo até que recomeçassem a cantar e restabelecessem o fluxo energético.

No quarto a rainha sentiu a interrupção da barreira e sua voz falhou levemente por uma palavra. Foi o suficiente para que a nuvem de veneno investisse velozmente em direção ao seu corpo desprotegido, nele desaparecendo totalmente.

A rainha tombou ao impacto.

- Vovó!!! Não!!! – Gritou Maise.


Texto registrado no Literar.

Imagem daqui.

0 comentários:

Posts relacionados: