terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

Druida - Introdução

Esta estória tem como personagem principal Tuan Dé Danann ou, traduzindo, Tuan Filho de Dana, a Deusa Mãe da mitologia céltica irlandesa.

Embora algumas vezes vistos como magos, existe um consenso que os Druidas tenham sido mais semelhantes à conselheiros espirituais e filosóficos de suas tribos devido ao elevado conhecimento sobre medicina, astrologia, filosofia, poesia, dentre outros.

Tuan, o Druida, é um homem que divide opiniões. Escritor famoso, idolatrado por uma multidão de fãs, desprezado pelos intelectuais e veladamente acusado de fraude por outros, vive recluso e isolado da sociedade na sua casa no alto de uma serra, em profundo contato com a natureza.

Sua paz e silêncio são perturbados pelo pedido de ajuda à uma jovem herdeira e famosa socialite.

Drew, vítima de sequestro e torturas, está em choque pós-traumático e esgotados todos os melhores recursos médicos disponíveis, Tuan surge como a última esperança de cura.

Do contraste entre estas duas personalidades tão diferentes é que se fará a estória que pretendo contar:

Tuan, a árvore, sólida e perene, a sabedoria.
Drew, a borboleta, leve e etérea, a transformação.

O leve e o pesado, a matéria e espírito, o sonho e a realidade: as dualidades e constrastes de que todos somos feitos e que nos fazem tão contraditórios são na realidade os verdadeiros protagonistas de Druida.


...


Acabando de escrever este texto, percebo-me chocada com toda a pretensão. Esperem um pouquinho, vou ali esperar o pânico passar e já volto (em off, quarta-feira) para começarmos. rsrs

Beijos!!!

Ps:

Agradecimentos antecipados à:

- Druida do blog A Magia da Noite, minha maior fonte de incentivo e inspiração para continuar escrevendo. Através de seus textos mágicos mantenho-me conectada à espiritualidade. E não, ele não é Tuan. Mera coincidência.

- Marco e Lunna, do blog A Casa do Mago, por gentilmente liberarem o conteúdo de seu blog como fonte de pesquisa e utilização no romance. De tudo que li em minhas buscas na internet o material deles é o melhor e até onde entendo, muito confiável.

8 comentários:

Cris disse...

Neivinha querida!!! Tô beeege com essa trama que vc montou!!!
Queeero ler urgentemente o Druida Tuan, a árvore, sólida e perene, a sabedoria.
                                         Drew, a borboleta, leve e etérea, a transformação.:))
Continue sendo ousada,pois, precisamos testar nossos limites para seguir em frente na escrita.
Bjs da brisa miiiga,
Cris

Marco disse...

Bom dia Neiva, obrigado pelo link do meu blog e fiquei eu aqui com aquele sorrisão feliz com sua referência.
Bem, e quando é que poderemos começar a ler essa história? Estou esfregando as mãos aqui, viu? Bjs

aitinerante disse...

Daniel,

Seu comentário foi inteiro deletado porque não sei como deletar só uma parte. Desculpe, mas este espaço é para comentários sobre a estória e não para provocações de um assunto que já esgotamos nestes dois anos de discussão. Você tem sua opinião, eu tenho a minha e não vamos mudar. Chega, né? 

Abraços

Thania disse...

Neiva,

Apesar de  nada saber  sobre a cultura  druida ,  gosto do tema,  vou acompanhar as postagens   com muito interesse .

Bjs

aitinerante disse...

Cris, que bom contar com sua brisa refrescante durante esta nova aventura. Obrigada. :D

aitinerante disse...

Ei Marco, obrigada a vocês novamente. Quarta-feira teremos o primeiro capítulo. Beijos. :D

aitinerante disse...

Thania,

Obrigada pelo apoio. Eu também não sei tanto sobre a cultura celta. Estava procurando uma origem para meu personagem quando esbarrei na estória dos Tuatha Dé Danann e, além de ter ficado fascinada, encaixou-se à perfeição com o que procurava. Depois disto não consegui mudar de rumo.

A mitologia celta, diferentemente da grega ou romana, foi muito pouco documentada (até porque era transmitida oralmente) e o que existe é meio bagunçado. Uma fonte diz uma coisa e outra o inverso. De forma que procurarei orientar-me através do que achar razoável, preferencialmente oriundos do blog do Marco, esperando que ele corrija eventuais falhas.

O que me interessa na estória é um gancho que não posso explicar agora e a filosofia de apreço à natureza, basicamente, que está intrinsecamente ligada à personalidade de Tuan e o explica de muitas formas.

Então, aprenderemos juntos. :DDD

Beijos

a magia da noite disse...

Minha querida, em primeiro lugar quero agradecer-lhe pela forma carinhosa como sempre tem olhado meus textos, depois ser fonte de inspiração é algo de grandioso, e não pode ser esquecido, sou-lhe grato por tudo.
Como sabe sempre achei que tem uma forma particular de criar um enredo, é fascinante como consegue encadear personagens e criar cenários, por isso acho que a vida lhe reserva muito de bom, esse é o meu desejo.

Posts relacionados: