WhatsApp

 Grupo da Itinerante no WhatsApp

Amigos, este blog está em pausa, se momentânea ou eternamente não sei ainda. Vai depender de aparecer um game que me instigue a fazer novas postagens.

Mas eu e meus amigos continuamos na ativa, conversando muito sobre games e nerdices em nosso grupo no WhatsApp.

Este post é só para convidá-los a se juntar a nós. Para falar dos Finais Fantasys, Zelda, Pokemon, Dragon Quest, Persona ou de qualquer outro game ou tema que queira. Sempre tem alguém que joga, já jogou ou quer jogar. rs

Agora que praticamente todos já terminaram o Final Fantasy XV nós estamos comentando livremente a história, mas se alguém que ainda não finalizou entrar é só pedir que interrompemos os spoilers.

Então, caso queira se juntar a nós, basta clicar na imagem.

quarta-feira, 17 de março de 2010

FFXIII - Personagens - Hope

Hope e seu summon Alexander


É impossível não comover-se com a presença de Hope Steheim no jogo.

Desde o nome, Esperança, até sua tenra idade, 14 anos, passando pelo aspecto frágil com cabelos loiros claros e imensos olhos verdes, o jeito manso, um tanto quanto tímido e receoso, mas que em momentos de perigo ou necessidade revela-se de uma coragem e destemor ímpar, tudo em Hope parece ter sido desenvolvido para envolver a alma dos jogadores de uma forma que os personagens adultos não conseguiriam. Por mais que estes sejam muito humanos - e são - é Hope quem nos inspira ternura e afeto. Todos gostariam de ser um de seus pais, o irmão ou colega e estar ao seu lado, protegendo e animando a continuar.

É ele quem nos desperta sentimentos e através deles somos definitivamente fisgados pela estória e deixamos o papel de meros observadores para nos tornarmos parte dela.

Sua estória começa de forma dramática e até mesmo cruel, logo ao início do jogo, quando está com sua mãe, Nora Steheim, no trem que leva os expurgados. Ele foi marcado como l’Cie, devendo ir para Pulse e ela o acompanhará.

Quando os conflitos acontecem, Snow aparece e estimula os civis a lutarem contra a Psicom. Nora deixa Hope, pega uma arma e segue Snow, morrendo logo após em uma explosão, à vista dos olhos aturdidos e entristecidos do menino.

Confesso que fiquei emocionada com esta cena e até mesmo um pouco revoltada, achando-a tão desnecessária quanto a morte da mãe de Bambi, mas revendo ao longo destes dias, é naquele momento que Hope (e por conseguinte toda a estória) laça-nos definitivamente.

Para quem quiser, aqui está o vídeo com a parte em que estes eventos ocorrem (by SplitInfinity): Morte de Nora.

Além deste sentido de humanização dos personagens e conseqüente envolvimento emocional dos jogadores, penso que a presença de Hope no jogo também tem dois outros objetivos:

Primeiro acho que a Square deve estar de olho nesta faixa de jogadores, com idade entre 11 e 16 anos, menor do que os fãs usuais formados por jovens e adultos e a presença de uma criança entre os personagens é um apelo direto a eles.

Segundo e talvez mais importante do que os demais, Hope, por sua idade, pela vida e futuro que tem pela frente, pelo olhar pueril e inocente com que ainda enxerga a vida é a representação da Esperança, em todos os seus amplos significados.

0 comentários:

Posts relacionados: