WhatsApp

 Grupo da Itinerante no WhatsApp

Amigos, este blog está em pausa, se momentânea ou eternamente não sei ainda. Vai depender de aparecer um game que me instigue a fazer novas postagens.

Mas eu e meus amigos continuamos na ativa, conversando muito sobre games e nerdices em nosso grupo no WhatsApp.

Este post é só para convidá-los a se juntar a nós. Para falar dos Finais Fantasys, Zelda, Pokemon, Dragon Quest, Persona ou de qualquer outro game ou tema que queira. Sempre tem alguém que joga, já jogou ou quer jogar. rs

Agora que praticamente todos já terminaram o Final Fantasy XV nós estamos comentando livremente a história, mas se alguém que ainda não finalizou entrar é só pedir que interrompemos os spoilers.

Então, caso queira se juntar a nós, basta clicar na imagem.

quinta-feira, 8 de abril de 2010

Final Fantasy XIII: o Avatar da Square Enix

Avatar é a maior bilheteria da história do cinema

Hoje acordei com saudades de Akira Kurosawa. Talvez muitos nem saibam de quem falo, mas Akira, em minha opinião, foi o mais genial cineasta já existente. Seus filmes eram obras de arte a pensar de forma densa e profunda a vida e toda complexidade e dramaticidade da alma humana.

Assim como ele, existiram vários nomes que faziam os chamados “filmes de diretor”, em que o cineasta imprimia uma marca, um estilo extremamente pessoal, aos seus filmes, tornando-as obras de arte inconfundíveis. Nomes como Fassbinder, Bunuel, Bergman, Fellini, Godard, em obras muitas vezes ácidas e amargas como Querelle ou As lágrimas Amargas de Petra Von Kant, às vezes belas, enfim... Muitas vezes saí do cinema com a sensação de ter levado um soco no estômago, atordoada e angustiada com a possibilidade existencial mostrada.

Então surgiu Hollywood que descobriu a fórmula certa e segura para arrastar multidões aos cinemas: estórias construídas em clichês, visual perfeito, efeitos especiais abundantes, um pouco de drama, comédia, romance e aventura e profundidade zero (para que Hommer não se perca), de forma a agradar a toda a família. Avatar é o exemplo mais bem acabado da fórmula.

E os filmes de diretor foram escasseando, com alguns sobreviventes cedendo em algo: ou na densidade da estória, ou em algum outro aspecto. Mesmo Almodóvar está mais leve e deglutível do que em seus filmes mais antigos.

Mas este processo não ocorreu apenas com o cinema. A complexidade da vida moderna transformou restaurantes em fast-foods, música erudita em pop, roupas únicas e feitas à mão por industriais feitas aos milhares, os panos evoluíram para misturas sintéticas mais amigáveis que o puro algodão, etc. Ao mesmo passo em que viver complicava, as coisas simplificavam, tornavam-se mais fáceis de consumir, de adquirir, de fazer.

Hoje tudo é pensado para facilitar a vida e economizar tempo, dinheiro e a energia dos seres humanos.

E o RPG ficaria de fora? O gênero que é a essência da profundidade e complexidade dos games? Que consome muito mais tempo e dinheiro para ser desenvolvido e que exige tanta dedicação dos jogadores? Quantas pessoas ainda podem e se dispõem a gastar 2 ou 3 meses em cima de um único jogo? Quantas ainda querem isto? Estamos sendo acostumados, doutrinados a apreciar o leve, o superficial, o fácil. Soa cada dia mais estranho algo complexo, profundo, difícil.

Em 2007 ainda tivemos bons títulos, mas de 2008 em diante os jogos começaram a escassear. Em compensação o gênero Aventura disparou em bons e até mesmo fenomenais títulos, como God of War. É a formula perfeita, tal como no cinema: efeitos especiais abundantes, muita adrenalina e rápido. Não é preciso comprometimento, pesquisa, dedicação e praticamente nenhum conhecimento prévio. Atende o jogador eventual, em busca de uma diversão fácil e ao fã oferece 1 título ao ano ou ano e meio.

O último bastião dos fãs, a franquia Final Fantasy, parece atraída pelo gênero.

Final Fantasy XIII é o jogo All-in-one, o Avatar da Square. O jogador descompromissado pode jogá-lo inteiro em aproximadamente 50 horas e para satisfazer os fãs mais exigentes, existe Pulse e as Missões.

A parte Aventura de FFXIII é visualmente arrebatadora, ritmo empolgante, estória bem acabada e leve, sistema de lutas simples com uma inteligência artificial poderosa que dispensa maiores conhecimentos e dificuldade baixa com bosses do enredo. Não é preciso ser nenhum grande jogador para zerar a estória.

Então vem Pulse para quem quiser continuar, em missões sem o menor contexto, chatas, com prêmios que seriam importantes durante a estória e não após. Só interessa mesmo aos caçadores de troféus e aos aficionados pela marca.

Do que comecei a jogar até agora vi vários jogadores, antigos fãs da franquia, desistirem de completar o Pós Game e eu mesma só continuo por teimosia. Vou matar Vercingetorix e ganhar o Gold Watch que não me serve para absolutamente nada. Fazer o quê?

O diretor de Final Fantasy já avisou que o próximo game seguirá o mesmo rumo, com mais aventura e menos exploração de mapas.

É o fim dos RPG?

Da forma como conhecíamos acredito que sim. É caro e de menos apelo popular que os demais gêneros, mas vejo que a Square procura um novo gênero, uma fusão entre Aventura e RPG. Se a parte RPG deste jogo foi insossa ao menos não foi completamente abandonada. Talvez melhorem no próximo ou talvez não. São experiências para algo novo, buscando a fórmula perfeita: o game que agrade a todos.

Só posso torcer para que encontrem e agradem também a nós, eternos apaixonados pela complexidade e profundidade, que não gostamos de coisas fáceis e buscamos os grandes desafios.

18 comentários:

Luiz disse...

Hollywood acabou com o cinema. Malditos efeitos especiais. É comparar "O Chamado" americano com o japonês. Enquanto um parece video caseiro com terror psicologico e profundo, o outro é visual e apelativo. Por isso que não ligo mais para filmes, é tudo tão repetitivo. Não espero encontrar uma boa história, e sim uma boa diversão.

Nossa, não vou discutir com alguém que jogou esse jogo, parece que tu sabe demais dele. E me entristece saber que até os rpgs estão seguindo esse gênero mais light de suas origens. Caramba, tem muitos jogos que estão seguindo o mesmo estilo. Quando olho para Resident Evil ( minha franquia preferido) eu digo: o que foi que fizeram? Nada mais de profundidade. Só preciso usar mais as mãos do que o cérebro. Deprimente.

Por isso que ainda jogo Final fantasy 7( um dia eu ainda mato aquela weapon maldita). E até mesmo o Tatics é bem legalzinho e uma hora ou outra dá pra jogar sem enjoar. É uma pena que meu play 1 tenha quebrado.Sem contar outros jogos bem profundos também, mas que não cheguei a jogar muito.

Mas tenho fé que aquele bom jogo com uma boa história ainda volte.

aitinerante disse...

E Asas do Desejo, de Win Wenders? Aquilo foi um crime!

Eu também perdi muito do interesse que tinha por cinema nos últimos anos.

Estava conversando ontem sobre isto: os melhores RPGs foram os do play1. Play2 ainda teve alguns títulos bons, mas infelizmente não tenho muita esperança para o futuro. : (

Vou torcer para estar errada e você certo.

Obrigada pelo comentário.

Thania disse...

Neiva,
Sobre games e RPG nada posso comentar pois não entendo.

Sobre cinema arte, eu tb  tenho  saudades de filmes  com maior  profundidade , como os  do Akira Kusosawa.

Eu adorei Avatar, o filme  é  sensacional .  Mas reconheço  que há um exagero na indústria cinematográfica  hollywoodiana :  filmes  com excesso de  efeitos ,  pouco conteúdo e  clichês à  vontade. Algumas vezes vou ao cinema e  saio antes do filme terminar ... Estou sem paciência para  ver  besteirol  ou cenas de violência .

Mas  existem  bons  filmes  por aí, com arte  e conteúdo,  de outras  nacionalidades que não a  norte  americana. Não acho que o  cinema  deixou de  evoluir, ao contrário!   No entanto há o monopólio dos  filmes de hollywood e ficamos sem ter conhecimento de outras produções.

Bjs

Thania disse...

Corrigindo ... Akira Kurosawa  :)

aitinerante disse...

Sim, Thania, este é o problema com o cinema: os bons não chegam até nós. Mas no caso dos games, não tem mesmo. Estou procurando algo para jogar e não tem. Simplesmente não tem. Droga! rsrs

Thania disse...

Neiva, cuidado! Isso é  vício ... rsrs

aitinerante disse...

Eu gostei de Avatar também, do mesmo jeito que gostei da parte Aventura de FF. O rítmo, os gráficos, tudo é impecável e sedutor. Apenas em Avatar a estória é muito superficial e cheia de clichês. Não é uma estória realmente densa. É uma diversão.

Da mesma forma, a parte de Aventura de FF deixa um gostinho de "quero mais".

Não invalida o fato de que são deliciosos, ambos. :D

machiavelism disse...

pois é, dos jogos do genero, pro playstation 1 pro 2 eu ja senti uma enorme mudança, fiquei desesperado quando vi que nenhum jogo mais tinham aqueles mapas gigantescos que  faziam a genteexplorar sem cansar... final fantasy 10 ja me frustrou nisso, como assim eu pego a nave la no fim do jogo mas não tem um mapa pra eu explorar com ela.... e por ai vai até hoje...

a ah, uma coisa sobre avatar...
nem o enredo, e nem o visual do filme são originais, vai, pura cópia de cenários e monstros de final fantasy e rpgs japoneses num geral :/

aitinerante disse...

Consenso entre os rpgistas: games para ps1 foram os melhores, ps2 mais ou menos e ps3 desandou geral. : (

Gerana Damulakis disse...

Neiva: minha filha também é fascinada pelos filmes de Akira. Eu não sou muito de cinema, minha praia é a literatura, vc sabe.

aitinerante disse...

Eu eu sou de todas as praias, lol. Gosto de bons filmes, bons livros, bons jogos. Em resumo: gosto de tudo que é bom. kkk

seu fãboy ´´original´´ disse...

nossa vc é d+ suas palavras e ideias vc nao existe bjo neiva

aitinerante disse...

Adorei o elogio. Obrigada. :DD

Marcio disse...

Não curti Chrono Cross mais Chrono Trigger foi o melhor, queria muito um remake dele.

Marcio disse...

Verdade...

Marcio disse...

Por isso que eu baixo os filmes na net, tem vários filmes suecos que são excelentes

Guilherme! disse...

Caramba o Chrono Cross é muito foda! o Tigger é pioneiro! queria uma histooria novo para ps3 ou ramake ! (sonho meu) sinceramente as Plataformas do VII , VIII e IX são perfeitas para mim! o X pt1 e pt2 avacalhou ! (malditas bolinhas) e a do XII vou nem comentar! 

Guilherme! disse...

eu ainda me Lembro quando Jogava Breath Of Fire! um 2D que era muito! foda! mas pq todo Breath of Fire o Personagem é o Ryu! vamo mudar neah! kkkkkkkkkkkkkkkk

Posts relacionados: