WhatsApp

 Grupo da Itinerante no WhatsApp

Amigos, este blog está em pausa, se momentânea ou eternamente não sei ainda. Vai depender de aparecer um game que me instigue a fazer novas postagens.

Mas eu e meus amigos continuamos na ativa, conversando muito sobre games e nerdices em nosso grupo no WhatsApp.

Este post é só para convidá-los a se juntar a nós. Para falar dos Finais Fantasys, Zelda, Pokemon, Dragon Quest, Persona ou de qualquer outro game ou tema que queira. Sempre tem alguém que joga, já jogou ou quer jogar. rs

Agora que praticamente todos já terminaram o Final Fantasy XV nós estamos comentando livremente a história, mas se alguém que ainda não finalizou entrar é só pedir que interrompemos os spoilers.

Então, caso queira se juntar a nós, basta clicar na imagem.

quinta-feira, 14 de outubro de 2010

Enslaved: Primeiros capítulos, impressões e críticas



Vocês lembram do meu texto sobre o game Enslaved da Ninja Theory (confiram aqui)? Então, após uma grande espera (não tão grande como a do Final Fantasy Versus XIII, lol) coloquei as mão no game. Já estou no capítulo 4 e aqui vão as minhas primeiras impressões dessa grande jornada!!!!!

A Ninja Theory fez um excelente trabalho com os gráficos, o game traz cenários deslumbrantes, cheios de vida, muito bem acabados, embora encontre um defeito ou outro, um serrilhado, algumas texturas não finalizadas, mas apesar disso o show visual é implacável. Não dá pra perceber às vezes as mudanças entre CG's e gráficos ingame. Os personagens também são muito bem acabados, cheios de estilo, até mesmo os inimigos, que apesar de até agora não serem muito diversos, também são bem acabados.

Mas, não adianta nada ter um supergráfico se a jogabilidade não é satisfatória, certo? Então vamos à ela, lol!!! É muito comum nos jogos Hack'n'slash termos uma jogabilidade que utiliza todos os botões do Joystick, com Enslaved não é diferente, mas não se preocupe se não tiver muita habilidade no controle, pois a jogabilidade do game não é complicada, principalmente nos combates. Monkey, o nosso protagonista, tem golpes alucinantes, mas que são facilmente aprendidos e executados utilizando os botões X e Y (Xbox 360) ou Quadrado e Triângulo (PS3). Também é possível se defender e atirar projéteis pelo bastão de Monkey, mas para isso é preciso recolher as munições espalhadas pela fase. É possível também definir algumas ordens para a sua protegida, a jovem e linda Trip. São quatro comandos diferentes: você pode pedir para ela correr, distrair os inimigos, realizar upgrades em suas armas e curar a sua vida, utilizando uma das vacinas que você também encontra espalhadas pela tela. A exploração também não exige muitos comandos, a maior parte é feita com os botões A e B (Xbox) e X e O (PS3). No menu de upgrades é possível fazer melhoramento nas armas, na vida e no escudo de Monkey, entre outras coisas. O único defeito que encontrei na jogabilidade é que às vezes, muito raramente, Monkey fica andando sem sair do lugar por um breve período, mas logo volta ao normal, lol!!!!! Ri muito da primeira vez que aconteceu, mas em uma batalha de chefe pode custar a sua vida!!!

A dublagem dos personagens está muito boa, as vozes coincidem bem com a características dos personagens, os sons dos combates e as músicas das fases também se encaixam muito bem à esse clima épico do game.

----- ATENÇÃO!!!! O TEXTO ABAIXO CONTÉM SPOILERS -----

O enredo é basicamente aquilo que já foi apresentado: Monkey deve ajudar Trip a chegar em casa, se ela morrer, ele também morre, tudo isso graças à uma tiara que Trip implanta nele e que está diretamente ligada aos batimentos cardíacos dela.

O interessante aqui é ver como essa obrigação vai deixando de existir conforme os dois vão se conhecendo melhor, me atrevo à dizer que até o final do game os dois estarão loucamente apaixonados um pelo outro, hehehehe!!!!!

No capítulo 1 estamos numa nave que está caindo. Monkey deve achar um jeito de escapar, conforme vai avançando as telas que são praticamente iguais, os elementos da jogabilidade vão, aos poucos, sendo inseridos. Além de salvar à si próprio, Monkey tenta avisar uma jovem senhorita para que parta do avião, mas ela não lhe dá muita atenção. Enfim ele encontra a jovem senhorita na pior circunstância possível. Depois disso um desastre acontece, encerrando o primeiro capítulo, lol!!!!

No capítulo 2 Monkey acorda com muita dor de cabeça e uma tiara esquisita na cabeça, ele conhece Trip e descobre que está aprisionado por essa tiara que o obriga à ajudar a moça, caso contrário ele morre. Aqui vemos mais alguns elementos da jogabilidade, principalmente da exploração e temos a primeira Boss Battle, muito legal!

No capítulo 3 é que Monkey e Trip iniciam de verdade a sua viagem, nada de muito novo apenas uma fase enorme para explorar com muitos tech orbs (que servem para upgrade) escondidos pelos cantos, fiquem atentos e sempre deem uma olhada na lista de upgrades para estar sempre preparado para os desafios!!!!

O capítulo quatro só joguei um pedaço, ele inicia com um grande guindaste, que é o objetivo no capítulo 3, Monkey sobe para mexer no guindaste e Trip, que deveria ficar escondida, sofre um ataque de um grande cão robô, que apareceu nos trailers e em várias imagens do jogo. Consegui salvá-la e agora nós dois estamos no meio de uma fuga, kkkkk!!!!

Finalizando: as conquistas/Troféis. Devem ser iguais no Xbox e no PS3, geralmente são. Eu estou com a versão de Xbox 360. Elas são bem distribuídas, tem uma para cada fase a algumas por fazer algumas coisas especiais no jogo, como por exemplo jogar um inimigo em uma mina no capítulo 2 e algumas secretas que com certeza mais difíceis de serem feitas.

Bem, é isso. Quem ainda estiver na dúvida não fique, Enslaved é um jogo que, para quem gosta desse estilo, é um prato cheio e vai divertir à todos com certeza, lol!!!!!!!!

E pra quem já está jogando.... Aonde estão? Estão gostando? Temos mais boss battles emocionantes? A primeira modéstia à parte foi muito fácil, hehehehe (Depois dos bosses de Resonance também, hehehehe)

0 comentários:

Posts relacionados: