WhatsApp

 Grupo da Itinerante no WhatsApp

Amigos, este blog está em pausa, se momentânea ou eternamente não sei ainda. Vai depender de aparecer um game que me instigue a fazer novas postagens.

Mas eu e meus amigos continuamos na ativa, conversando muito sobre games e nerdices em nosso grupo no WhatsApp.

Este post é só para convidá-los a se juntar a nós. Para falar dos Finais Fantasys, Zelda, Pokemon, Dragon Quest, Persona ou de qualquer outro game ou tema que queira. Sempre tem alguém que joga, já jogou ou quer jogar. rs

Agora que praticamente todos já terminaram o Final Fantasy XV nós estamos comentando livremente a história, mas se alguém que ainda não finalizou entrar é só pedir que interrompemos os spoilers.

Então, caso queira se juntar a nós, basta clicar na imagem.

domingo, 28 de novembro de 2010

Crise na Indústria de Games Japonesa - Reportagem do The New York Times - Parte 1


Por HIROKO Tabuchi
Publicado em: 19 de setembro de 2010

CHIBA, Japão - Um ouriço supersônico e um encanador chamado Mario pode ter sido heróis improváveis, mas até então dominavam jogos de vídeo. Somente os japoneses poderiam fazer jogos inovadores como esses, os desenvolvedores utilizavam isto para se vangloriar. O Ocidente simplesmente não entendia.

Pule 20 anos à frente, porém, e grande parte da indústria de games do Japão está em queda.

Sonic the Hedgehog e Mario ainda vendem jogos. Mas a mais recente tentativa japonesa de criar franquias, como White Knight Chronicles da Sony ou Monster Hunter da Capcom, não fez uma marca nos Estados Unidos e Europa. Em vez disso, blockbusters hits agora estão vindo do Ocidente: Call of Duty e Guitar Hero, da Activision Blizzard, por exemplo, e Grand Theft Auto da Take-Two Interactive.

É por isso que um grupo crescente de desenvolvedores de jogos japoneses estão fazendo uma pergunta outrora impensável: eles podem aprender com o Ocidente para voltar ao topo do negócio de jogos de videogame global de 60.000.000.000 dolar?

"Eu olho em torno de Tokyo Games Show, e todos estão fazendo jogos terríveis; Japão é, no mínimo, cinco anos atrás", disse Keiji Inafune, 45, chefe de pesquisa global e desenvolvimento da Capcom e um dos designers mais importantes do Japão jogo.

"A Capcom está mal mantendo-se," ele disse em uma entrevista no show, que terminou domingo. "Eu quero estudar como os ocidentais vivem, e fazer jogos que apelam a eles."

A partir de meados da década de 1980 através da década de 1990, a maioria das grandes franquias de console do jogo nasceu no Japão, incluindo Mario e Pokémon da Nintendo, a Sonic Hedgehog da Sega e Gran Turismo da Sony.

Mas as maiores franquias de novos jogos da última década tem sido de fora do Japão, incluindo Halo pela Microsoft, e os sucessos da Activision Blizzard e Take-Two Interactive.

No ano passado, o jogo mais vendido do mundo até agora foi Call of Duty: Modern Warfare 2, que vendeu 11.860 mil cópias nos Estados Unidos, Japão e Grã-Bretanha, de acordo com o NPD Group, empresa de pesquisa de mercado. (Ver observações. Nota do blog)

Os números globais de vendas para toda a indústria são difíceis de encontrar. Mas a participação do Japão no mercado mundial de videogames, tanto de hardware e software, caiu para pouco mais de 10 por cento em 2009, a partir de estimativas tão elevadas quanto 50 por cento em 2002, com base em dados da Entertainment Software Association, a Japan External Trade Organization , e as empresas de pesquisa DFC Intelligence e Enterbrain.

A dominância do Ocidente era evidente aqui na Tokyo Game Show, que perdeu muito de sua influência global nos últimos anos. Apesar do entusiasmo com o show de 2010, os mais novos títulos de editoras japonesas, como Ni no Kuni de Nível 5 e The Last Guardian da Sony, os desenvolvedores do jogo foram o Japão, principalmente torcendo as mãos.

Nintendo tem sido a grande excepção, uma empresa japonesa de jogos que se manteve dominante. A empresa, sediada em Kyoto, reinventou a indústria com seu console Wii em casa e controle de mão remoto, que foi introduzida em 2006, atraindo novos jogadores casuais no mercado, estabelecendo um padrão da indústria em controle de movimento.

O jogo Wii Sports Resort jogo foi a segunda maior do mundo em 2009, vendendo 7,57 milhões de cópias. O seu breve-a-ser-lançado Nintendo 3DS, um console portátil com um ecrã de 3-D que não necessita de óculos especiais, é o lançamento da indústria de hardware mais aguardado dos últimos anos.

Mas porque os jogos mais vendidos em consoles da Nintendo são em grande medida, da Nintendo, o resto da indústria japonesa de jogos tem sido excluídos dessa ação.

Enquanto isso, o mercado interno do Japão jogo está encolhendo, até 20 por cento desde 2007, para 549 bilhões de ienes (6,4 bilhões) em 2009, segundo a Enterbrain.

Durante esse tempo, o mercado nos Estados Unidos subiu para um recorde de 21,4 bilhões dólares em 2008, antes de uma recessão impulsionar para um declínio de US $ 19,7 bilhões em 2009. Mas isso era ainda um aumento total de 10 por cento mais de dois anos para o mercado americano, segundo a NPD.

Continue lendo: Japoneses Jogando um novo vídeo game: Catch-Up

...

Observações:

O Wii Sports da Nintendo - lançado em 2.006 - foi o game mais vendido durante o ano de 2009 com 19 milhões de unidades.

Call of Duty: Modern Warefare 2 - lançado em 10/11/09 - foi o jogo que mais vendeu unidades no seu lançamento:  15,7 milhões de unidades nas primeiras 10 semanas, duas delas em 2.010. Ele ficou com a 2a. posição de jogo mais vendido do ano.

O Wii Sports Resort - lançado em 26/07/09 - vendeu 4,8 milhões de unidades nas primeiras 10 semanas, sendo o 2o. mais vendido no lançamento e 12,5 milhões durante o ano, terceiro mais vendido no ano.

Dados de VGChartz.

...

Este é o motivo de meu silêncio nos últimos dias.

Nós sempre ouvimos falar a mesma coisa: crise na indústria de games japonesa!!! E os números? Nada!

Será verdade ou mito? Se é verdade, qual o tamanho do buraco? Japão está pior do que o restante do mundo? Quanto?

Comecei a investigar esta questão e enfurnei-me em um labirinto de números infindáveis que parecem um gigantesco polvo cheio de tentáculos e que ameça engolir-me. rsrs

É sim, difícil obter os números. O NPD, instituto que acompanha as vendas de consoles e games nos EUA e Europa não tem um serviço de pesquisa online em sua base e a pesquisa através dos reports divulgados não é completa para montar uma série histórica. O Media Create que acompanha as vendas no Japão é ainda pior, uma vez que seu site apresenta apenas o último ranking de vendas, sem histórico. Os dados de ambas as empresas são vendidos e não dados. :(

Sorte que o VGChartz existe! Embora sua base histórica não seja perfeita já é alguma coisa e agora que avancei, já não sei se valeu a pena todo o esforço, mas ainda não conclui e só quando o fizer é que saberei se fazem algum sentido real ou não.

Até mais. :D

0 comentários:

Posts relacionados: