Pular para o conteúdo principal

Conheça a evolução dos cartuchos de videogame

Os grandes videogames como Xbox 360, Nintendo Wii e PlayStation 3, utilizam hoje mídia ótica como forma de leitura dos seus jogos. Porém, boa parte da história desta indústria pode ser contada através de cartuchos - pequenas caixas com circuitos internos que, por muito tempo, foram sinônimo de diversão. Confira como eles evoluíram através do tempo e gerações.


Os primeiros aparelhos eletrônicos que poderiam ser considerados videogames nada mais eram do que máquinas de um título só, como o clássico TeleJogo. Às vezes elas até traziam variações, mas no fundo, havia um número limitado de jogos atrelado àquela máquina. Comprar novos títulos significava comprar outro videogame.

O Magnavox Odyssey, apresentado em 1972, foi o primeiro a trazer a ideia de cartuchos com jogos diferentes. No entanto, os cartuchos em si não tinham dados, eles apenas ativavam certas “lógicas” dentro do videogame pelos seus conectores. Como os gráficos eram extremamente rudimentares, meros quadrados luminosos, ele ainda vinha com imagens transparentes para sobrepor na sua TV.
Algum tempo depois, em 1976, a Fairchild Semiconductor lançou o Fairchild Channel F, o primeiro videogame que tinha cartuchos com jogos diferentes de verdade. Foi o início dos arquivos que conhecemos hoje como “ROM”s, que nada mais são que a sigla para “Read Only Memory”, ou em português, “memória apenas de leitura”.

Rapidamente, a Atari aproveitou a ideia e lançou seu primeiro videogame, o Atari 2600, ou Atari VCS (Video Computer System). Em conjunto com a Activision, a empresa criou obras incríveis, tornando o console muito popular. No entanto, isso não evitou que ele fosse devastado pelo crash de 1983 na indústria de jogos.




Neste mesmo ano nascia o Nintendo 8 Bits, que só seria lançado em 1985 nos Estados Unidos. Seus cartuchos eram mais evoluídos que os do Atari e suportavam mais dados, o que, em conjunto com o hardware superior do próprio console, deu origem a jogos mais evoluídos.

Também foi nessa época que surgiu o primeiro cartucho com bateria interna, que não apenas lia a informação presente, mas também salvava os dados do jogador. A novidade foi apresentada com uma grande aventura, que perdura até hoje, The Legend of Zelda.
Basicamente, a partir daí, os cartuchos passaram a evoluir apenas em capacidade. Consoles como o Super

Nintendo, de 1991, e o Mega Drive, de 1989, eram evoluções naturais do Nintendo 8 Bits, e seu concorrente, o Master System, de 1986.

Logo mais funções começaram a ser atreladas aos cartuchos. Chips como o Super FX permitiam que o Super Nintendo gerasse os gráficos 3D de Star Fox. Outros vinham com entradas para linha telefônica e conectavam os videogames à Internet, como o Mega Net.


No entanto, era aparente que a evolução não seria através de cartuchos. Sega e Nintendo já começavam a cogitar a mídia ótica como uma possibilidade futura. A Sega lançou o Sega CD como um acessório do Mega Drive e mais tarde seguiu o caminho da mídia ótica com o Sega Saturno.
A Nintendo havia planejado um periférico semelhante para o Super Nintendo, em parceria com a Sony, mas acabou desistindo. Mais tarde, este projeto viria a se tornar o primeiro PlayStation. Para seu próximo console, o Nintendo 64, a empresa optou por manter os cartuchos, escolha que muitos consideraram ser um grande erro devido aos altos custos.

Poderíamos imaginar que este foi o fim dos cartuchos, tornando-se obsoletos frente a uma nova tecnologia, como tantas outras. Porém, outro mercado encontrou grande utilidade neles e os utiliza até hoje: o mercado de videogames portáteis.

O primeiro videogame portátil a utilizar cartuchos foi o Microvision, em 1979, que tinha cartuchos tão grandes que eles vinham com suas próprias telas! Porém, foi a Nintendo quem realmente os popularizou com o clássico GameBoy. Os cartuchos continuaram sendo usados no GameBoy Color e GameBoy Advance.




Porém, quando a empresa anunciou que o Nintendo DS também utilizaria cartuchos, enquanto a Sony apostaria na mídia ótica com o PSP, muitos acharam que a história se repetiria. Curiosamente, os cartuchos se provaram mais úteis em portáteis, sendo mais fáceis de transportar e por consumirem menos energia.

Hoje, tanto o Nintendo 3DS quanto o PlayStation Vita, sucessor do PSP, utilizam versões bem avançadas dos clássicos cartuchos. Mas a história também não acaba aqui, já que a mídia digital já vem batendo à porta, com portáteis que baixam seus jogos diretamente da Internet.

Será que ainda haverá espaço para essas caixinhas com jogos que foram tão marcantes na história dos videogames ou dessa vez realmente seu tempo passou? Deixe seu comentário!

Fonte

Opinião: Acredito que a Nintendo foi a grande responsável pela revolução na industria de games, com jogo divertidos e maravilhosos, ainda ontem instalei um emulador de SNES em meu android e peguei diversos jogos como TOPGEAR, DONKEY KONG I II III, MARIO RPG & KART, SUNSET RAIDERS e SUPER METROID, jogos memoráveis que tinha em cartuchos. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

(FF XII) TÁ TUDO AQUI! (detonados, história, summons, mapas, dicas, gil, rare itens, farms) Só clicar.

           Responsável: Neiva  - Posts:  Neiva , André  - Colaboração:  Emanuel Traduções: Bruno , Jackson ,  Mário , Thiago , Bruno B. LEIA ISTO PRIMEIRO  SOBRE FFXII Itens perdíveis e dungeons não retornáveis História completa em português   O filme completo em inglês TRADUÇÃO EM PORTUGUÊS BR O mundo de Ivalice Raças MONTANDO A EQUIPE Personagens Como combinar classes Simulador de combos de classes SISTEMA DE COMBATE Equipe Killer Neiva   Sobre o sistema de combate e Gambits Equipe Killer André Todos os Gambits Todas as magias e técnicas MEU JOGO (NEIVA) Buffs e Debuffs Primeiras impressões Atributos Introdução Zodiac System e seu sistema de classes A Cidade Real de Rabanastre Drops raros com chains e monographs O Portão Leste Downtown EQUIPÁVEIS O Palácio R

(FF XII) Hunts (caçadas)

Por André Anastácio  A sidequest mais conhecida de Final fantasy XII com certeza é a caça aos 45 marks do jogo. Marks são monstros poderosos, que precisam ser eliminados para, de alguma forma, alguma pessoa ser beneficiada com isso.  Agora é hora demostrar como detonar essas missões paralelas. Verificando o quadro que fica nos bares das cidades (Rabanastre, Bhujerba, Baifonheim), você pode aceitar pedidos para caçar Marks. Eles vão aparecendo conforme seu Rank de caçador subir, e ele sobe conforme você mata mais Marks e inimigos. Aceitando um pedido, você deve ir falar com o cliente antes de sair para matar o monstro. Quando falar com a pessoa em questão, a mensagem "The Hunt Begins" aparece na tela, e aí é só ir caçar o bicho. E lembre-se de retornar ao cliente quando acabar a missão para pegar sua recompensa. P.S.: É altamente recomendável sempre dar steal (para roubar itens) nos monstros de caçadas pois alguns deles oferecem itens EXCELENTES e que você p

(FF XII) Lista de todas as armas, status e localização

Por André Anastácio Lista completa das armas com seus status e localização Charge Time se refere a velocidade da arma. Armas que são obtidas através do Bazaar estão apenas com o nome com que elas aparecerão lá. Um guia detalhando os passos para montá-las será feito em breve. Obs 1 - Dados tirados da Wikia do jogo, alguns estão sujeitos a alteração pois podem não estar corretos. Obs 2 - A maior parte das armas que estão em baús não possuem 100% de chance de aparecer. One-Handed Swords Oferecem um bom balanço entre velocidade, consistência e poder. Assim como todas as armas de uma mão (One-Handed), permitem o uso de escudo. Dano é calculado baseado na Strength (força) do personagem, ataque da arma e defesa do alvo. Todas elas, exceto a Stoneblade, adicionam +5 de evasão. Jobs que podem utilizá-las - Knights (todas elas), Time Battlemage (apenas algumas, precisa de Esper) e Bushi (apenas a Bloodsword, precisa de Esper). Fórmula de dano Mithril Sword Attack - 14

(FF XII) Espers (summons) e suas localizações

Por André Anastácio É importante lembrar como funcionam os Espers de Final Fantasy XII. Para obter um Esper, primeiro é preciso vencê-lo em combate (alguns serão encontrados ao longo da história e outros são opcionais) e após isso, associá-lo a algum personagem através do quadro de licenças. Quando for derrotado, o Esper irá aparecer disponível no quadro de licença de todos os personagens, mas apenas um poderá tê-lo. Sendo assim, é importante decidir qual Esper irá para cada personagem especialmente pelo motivo de os Espers poderem estar bloqueando espaços específicos do quadro de licença em alguns Jobs. Diferentemente da versão original, na Zodiac System os Espers utilizam a barra de Quickening (que ficam abaixo no nome dos personagens) ao invés de MP para serem invocados. Outra adição é o fato deles poderem ser diretamente controlados. Por poderem ser controlados, é possível utilizar seus ataques especiais sem precisar cumprir as (complexas) condições necessárias anteriormente.

(FF XII) Detonado basicão, direto ao ponto, com mapas e sem spoilers!

Introdução (História) BOSS: Remora Airship Continue subindo, use o mapa se necessário, há vários inimigos, mas você não precisa matar todos, no caminho há dois itens em baús, aproxime-se deles e pressione (circulo) para pegá-los. Na próxima área existe um Save Crystal, salve seu jogo e continue subindo. Depois de matar os soldados, prossiga e entre pela porta, vão acontecer algumas cenas, o jogo propriamente dito começará. The Royal City of Rabanastre with Vaan ( Mapa do castelo ) ( Mapa da Cidade )  (História) Como Vaan, mate os 3 ratos. Encontre Penelo ao norte e depois vá até a loja de itens para falar com Migelo e em seguida as lojas serão liberadas.Vá para o restaurante Sand Sea e fale com Tomaji, para receber o acessório Oluakea Bangle e sua primeira Mob Hunt, além disso, Clan Report e License são liberados no menu. Clan Report tem as mob hunts, com os nomes dos monstros, mapa do cliente (aperte quadrado) e algumas vezes o nome do lugar onde o monstro está, também te