WhatsApp

 Grupo da Itinerante no WhatsApp

Amigos, este blog está em pausa, se momentânea ou eternamente não sei ainda. Vai depender de aparecer um game que me instigue a fazer novas postagens.

Mas eu e meus amigos continuamos na ativa, conversando muito sobre games e nerdices em nosso grupo no WhatsApp.

Este post é só para convidá-los a se juntar a nós. Para falar dos Finais Fantasys, Zelda, Pokemon, Dragon Quest, Persona ou de qualquer outro game ou tema que queira. Sempre tem alguém que joga, já jogou ou quer jogar. rs

Agora que praticamente todos já terminaram o Final Fantasy XV nós estamos comentando livremente a história, mas se alguém que ainda não finalizou entrar é só pedir que interrompemos os spoilers.

Então, caso queira se juntar a nós, basta clicar na imagem.

segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

(FF XV) Pós game: Pitioss - a pior dungeon de XV e de minha vida!


Existe um beco em Lestallum (este aí em cima) onde incautos jogadores NUNCA devem passar, especialmente de madrugada. Se passarem, serão convidados a escutar conversa alheia próximo a uma janela. Ouviram sobre um tesouro esquecido de um ladrão do passado e ganharão a quest Ladrões do Passado, que leva à Pitioss. E aí estarão lascados, estrepados, desconjurados, infernizados e tudo mais de ruim que possam imaginar.


A quest mostrará este ponto em azul, acima de Ravatogh. Para chegar lá, só com o Type-0 e a encrenca começa neste momento. Tem que pousar em uma minúscula pista de pouso (este tracinho laranja abaixo do ponto da quest). Antes da pista tem uma grande pedra. Prepare-se para explodir algumas vezes antes de conseguir. Algo que ajuda é ir bem mais abaixo de Ravatogh, o mais para baixo que conseguir para alinhar o Regália com o início da pista. Em seguida comece a baixar (botao para cima) e desacelarar com R2. Quando aparecer o aviso de pouso, vai com fé e que Deus te abençoe irmão.

Conseguiu? Ótimo. Pitioss só abre a noite. Pode seguir até lá durante o dia e vai encontrar umas lutinhas brabas no caminho. Dá para evitar se quiser. Tem um acampamento por lá também. Essencial é salvar em algum momento entre o pouso e a entrada de Pitioss.

Pitioss é uma dungeon sem um único inimigo. É um grande quebra-cabeças, um puzzle, com elementos de jogos de plataforma, pulos estratosféricos, espinhos nos quais não se pode encostar, salas que giram, coisas que se movem ao mesmo tempo em que você tem que andar, correr ou pular, ou seja, é um inferno, é horroroso, tenebroso, ruim mesmo.

Não tem nada de gostoso ou agradável por lá. É só aquele desejo de que acabe logo. Só isto, intercalado com morrer, morrer, morrer, morrer, morrer e morrer. Muitas e muitas e muitas vezes.

Não é um desafio estimulante. Não é gratificante. É um erro. Uma monstruosidade. Uma deformidade.

Eu, como já devem ter percebido, ODIEI Pitioss.

Não conclui. Não me dou bem com coisas se movendo. Tentei com toda boa fé do mundo. Não deu. Pedi ajuda para meu namorado. Aliás, pedi como presente de aniversário. Ele não tinha como negar e coitado, tentou. Mas desistiu. Daí pedi ajuda para o Jackson, via acesso remoto, não deu por conta do lag. Então simplesmente desisti.

Está lá, inconcluída e sem a menor previsão de conclusão. Não pretendo voltar àquele lugar. Posso viver sem esta experiência.

Se você é doido, doente da cabeça, masoquista em nível máximo e quer ir, vai. Depois não vem reclamar, ok?

Segue este vídeo passo a passo feito pelo pessoal da Piggyback, que fizeram o guia oficial do jogo:


Se você quer o item final, o Capuz Preto, que faz o Noctis esquivar automaticamente de ataques, mas não quer encarar o desafio, tem duas alternativas sujas:



Esta, relativamente mais fácil, usando a roupa térmica e alguns warps, ou:


Este Warp Strike super, mega, ultra difícil aí em cima.

Que Deus te ajude!

0 comentários:

Posts relacionados: