segunda-feira, 10 de julho de 2017

(FF XII) Uma história memorável

Spoiler: estes eventos ocorrem na introdução do jogo.


Ano 703 B.I. do calendário de Ivalice 

Cidade Real de Rabanastre, capital de Dalmasca. 

"Um guerreiro pega a espada nas mãos, segura a pedra no peito,
Memórias esvanecentes cravadas na espada, 
Habilidades treinadas confiadas à pedra, 
A história é contada pela espada e continuada pela pedra, 
Agora, deixe a história ser contada..." 

Esta é a história de um mundo chamado Ivalice. 

O mundo de Ivalice está em guerra. Os impérios de Archadia e Rosalia tentam expandir seus domínios ao máximo. O alvo dos dois impérios no momento é o pequeno reino de Dalmasca que, além de estar em uma posição geográfica muito importante, situada entre as duas nações, é um dos poucos lugares do mundo onde ainda existem grandes quantidades da fonte de energia conhecida como Magicite (curiosidade: esta era a fonte de magia de FFVI. Seu nome japonês é Maseki, que significa "pedra mágica"). Ela é o principal motivo da atual guerra. Magicite é a fonte de magia em Ivalice, mas também é a principal fonte de energia usada no cotidiano. Motos correm, portões se abrem, luzes se acendem. Tudo graças a Magicite. Claro que existem tipos especiais, mais concentrados, como os que fazem as airships voarem, por exemplo. Dalmasca sabe que não há como resistir ao poder de Archadia, o grande império que já declarou a intenção de tomar o reino para si.

Porém, o povo não está muito preocupado com isso no momento...

O CASAMENTO


Todas as raças passeiam tranquilamente pela cidade real de Rabanastre. Vários Moogles tocam seus instrumentos em uma grande parada que está acontecendo. Airships por todos os lados, centenas de soldados em linha para embelezar o evento. O motivo de tudo isso é o casamento da única herdeira do trono de Dalmasca, a princesa Ashe, com o valoroso guerreiro Lorde Raster. É uma grande festa para o público, mas, ao mesmo tempo em que todos comemoram, alguns não conseguem esconder a preocupação. Quando a festa começa, um comunicado chega aos superiores de Dalmasca. A notícia é que o império de Archadia já está pronto para invadir a qualquer momento. Um conselheiro diz ao rei que, se a fortaleza Nabudis cair, não há nada que possa deter a invasão de Archadia. "É apenas uma questão de tempo até que eles cheguem às nossas fronteiras". Após a celebração do casamento, o rei de Dalmasca aparece em público para explicar a situação. Raster estará no comando do exército que defenderá o país. O rei lhe entrega uma espada que possui algum significado importante.

"Que a glória de Galtea vá com você" — diz, enquanto entrega a arma ao guerreiro.

"Sinto-me muito honrado" é o que responde Raster, que desembainha a espada e a brande em direção aos céus, gritando e jurando proteger seu povo na guerra iminente. A multidão presente responde instantaneamente com gritos de motivação e apoio ao bravo comandante. Ao mesmo tempo, já podem ser vistas algumas naves de Archadia cruzando o céu.

O ATAQUE DO IMPÉRIO


Algum tempo depois (não sabemos exatamente quando, mas provavelmente alguns meses após o casamento), Archadia começa uma invasão noturna atacando pelos dois lados. A diferença bélica entre as duas nações é visível. Enquanto as airships pequenas e ágeis de Dalmasca tentam guardar o espaço aéreo a todo custo, as máquinas voadoras do Império são maiores, mais fortes e em maior número, não levantando a menor hipótese de derrota. Mesmo com a luta em terra sendo mais equilibrada e contando com Lorde Raster e o valoroso e respeitado general Basch ao seu lado, Dalmasca não consegue impedir as tropas de dominaram a cidade real de Rabanastre. O rei já prevê a derrota em curto prazo e foge para o interior da Fortaleza Nalbina, o último lugar de resistência do reino. Mesmo assim, como já havia sido dito antes, era apenas uma questão de tempo.

A defesa da fortaleza cai, significando a derrota de Dalmasca. Sem escolha, o rei de Dalmasca decide fazer um acordo de paz entre os dois reinos, entregando Dalmasca para Archadia de uma vez para salvar a própria vida e evitar mais derramamento de sangue. Uma cerimônia de arbitragem é marcada para oficializar o acordo.

O GENERAL FIEL

Basch tem algum plano em mente. Quando começa a presenciar a queda do reino, se apressa e deixa a frente de batalha, rumo à fortaleza Nalbina, junto com Vossler, um cavaleiro de sua confiança. No caminho, encontra um outro soldado, Recks. Basch faz algumas perguntas pessoais para seu comandado:

Basch: Quantos anos você tem, Recks?
Recks: De... Dezessete, senhor.
Basch: Jovem. Família?
Recks: Apenas um irmão, dois anos mais jovem, que vive em Rabanastre. Meus pais já morreram.
Basch: Desculpe-me. Ninguém na sua idade deveria ter uma espada.
Recks: Não, senhor. Eu quero lutar pela minha pátria. E por aqueles que morreram.
Vossler: Chega, Basch. Podemos conversar depois. Temos que chegar ao rei antes que eles possam agir — vários soldados de Archadia entram no recinto.
Basch: Estou ciente da situação. Vossler, vá! Eu vou segurá-los aqui.

Com poucos movimentos, Basch acaba com vários soldados de uma só vez. Após pedir calma para o afobado Recks, os dois correm. Logo após isso, um soldado enfrenta Recks.

BASCH, GENERAL TRAIDOR?


O bravo general e o soldado seguem seu caminho pela fortaleza Nalbina. Devido ao grande número de guerreiros Archadianos, eles decidem se separar. Nesse meio tempo, o rei de Dalmasca consegue o acordo de paz com o exército inimigo. Pouco tempo depois, Recks se reencontra com Basch, mas não do jeito que gostaria. A sala está repleta de corpos sem vida no chão. Entre eles, também está o corpo do rei de Dalmasca, inerte no trono. Atrás de Recks aparece o general, que não expressa o menor sentimento. Ele apenas olha para o novato e, vendo-o como única testemunha da chacina, atravessa a espada em seu ventre.

Recks: Você... Por quê? Por que você fez isso?
Basch: O rei queria vender Dalmasca a eles. Sua majestade era um traidor.
Recks: O rei... um traidor?

Enquanto dizia isso, Recks sentia a lâmina da espada daquele que admirava em seu estômago, consumindo suas últimas energias. Sem forças e sem entender as palavras que lhe foram ditas, ele cai, e apenas espera pela morte. Basch matou o rei antes que ele oficializasse o acordo de paz que entregaria Dalmasca para Archadia. E eliminou Recks por ser uma testemunha do ocorrido. Mas, aparentemente, sua atitude foi tardia. Vayne entra na sala.

Vayne: Isso é demais para um acordo pacífico...
Basch: Nós nunca vamos nos render a vocês! Nós não vamos ser vendidos facilmente por um rei traidor!
Vayne: A guerra acabou, general. Dalmasca agora é propriedade do Império. E pensar que, em respeito a vocês, nós pretendíamos deixá-los com certa autonomia... Mas agora você fez isso e arruinou tudo.
Basch: Eu nunca me curvarei a você!
Vayne: E o povo de Dalmasca irá odiar você por isso. Levem-no daqui.

Recks acompanha tudo, mas não tem condições de fazer nada. Só consegue se lembrar de seu irmão, a única família que lhe restou, e murmurar seu nome, Vaan", para depois perder os sentidos.

E por causa desse evento, o caminho para a paz no reino de Dalmasca foi destruído.

Ano 706 B.I. do calendário de Ivalice Cidade de Rabanastre 

Dois anos depois dos fatídicos acontecimentos, Dalmasca está nas mãos do Império de Archadia. Vayne, líder dos juízes e herdeiro do trono do império, está governando o reino temporariamente.

Dois  jovens habitantes de Rabanastre, Vaan e sua amiga Penelo, aprontam com alguns soldados na área comercial. Os dois fazem parte de um grupo de resistência que luta contra o império. E assim o game começa...


Venha jogar conosco!


0 comentários:

Posts relacionados: