Pular para o conteúdo principal

Xenoblade Chronicles 3: Meu jogo - Capítulo 3 - Um mundo enorme em um jogo viciante!

Aviso: SPOILERS!!!

Eu me propus a não continuar no jogo enquanto não finalizasse o capítulo anterior aqui no blog, tanto falando de meu jogo quanto narrando a história. Na sexta-feira, depois de terminar o capítulo 2 escrevi uma parte da história, mas fiquei presa no restante por problemas técnicos com a visualização das cut-scenes anteriores. Desta forma, sem ter como escrever, resolvi jogar apenas para upar e fazer alguma exploração. 

Nas últimas duas noite foi o que fiz e é tão bom e viciante que não consegui parar ontem para voltar e terminar o capítulo 2. Só hoje terei que voltar à história porque acabaram as áreas com mobs no meu nível (lvl 35) e também as quests.


Sistema de combate

O combate é perfeito porque ele existe em vários níveis. Se você não está a fim de pensar, se preocupar e nem mesmo trabalhar com os dedos, preguiça nível hard no qual funciono grande parte do tempo, é só usar a configuração automática (Opçao Y no menu dos personagens) e a autobatalha. (Opção "-" após iniciar uma batalha) e ele faz o trabalho pesado para você.

Se estiver mais ou menos a fim, pode jogar manualmente as batalhas contra os mobs mais difíceis, por exemplo. As dos monstros únicos e os de história não tem como, estes só manualmente mesmo. Funciona assim os monstros no campo: eles estão visíveis e por toda a parte. Cada campo tem seu level de monstros, uma faixa que oscila um ou dois leveis para cima ou abaixo. Assim, em um campo level 25, você poderá encontrar monstros de 23 a 27, por exemplo. Misturados a estes monstros, existem os monstros raros, os únicos e os de sorte (que tem umas estrelinhas acima do nome). Estes últimos são uma besteira. Não notei diferença significativa alguma com relação aos demais. Os monstros raros, que tem asinhas azuis acima da cabeça, são mais difíceis e aparecem em leveis um pouco mais baixos do que os demais. Você pode lutar automática ou manualmente com eles. 


Os monstros únicos, que tem asas amarelas acima do nome, só podem ser derrotados manualmente e são bem mais difíceis. Por isto mesmo aparecem em leveis ainda menores do que os do campo. Além destes, em todos os campos existem alguns poucos e gigantescos mobs de level realmente superior. Por exemplo, na primeira área, tem este King Kong aí em cima, level 80 rondando próximo de um rio. E você no level 10 por aí. lol Mas eles não são agressivos, exceto se você se aproximar realmente muito.

E, voltando ao combate, se você é daquelas pessoas que levam o combate realmente a sério, então é só entrar no menu e configurar cada skill, cada arte, cada acessório, etc... E jogar manualmente. escolhendo cada ataque. 

Assim, com este combate a gosto do cliente (ou do momento), realmente fiquei muito a vontade. O combate não é realmente difícil. Parecia mais difícil enquanto lia as instruções, pensei que jamais entenderia o cancelamento, o Chain Link e o Interlink, mas quando se começa a jogar a coisa flui naturalmente e é muito confortável, fácil e gostoso. Sai desbravando o mundo, disposta a revelar cada contorno do mapa.

Áreas

Falando sobre áreas, funciona assim: o mundo é realmente imenso e dividido em grandes áreas, imagine algo como blocos de países, como a Europa, a Ásia, etc... Por enquanto abri duas destas grandes áreas, a Aetia e a Fornis. A Aetia é a primeira e a parte que você consegue explorar em baixos leveis é pequena. Mas existem várias áreas inacessíveis e pelo que vi no mapa ficará bem maior.  

Você sai dela ao final do capítulo 1. E o problema foi que ao final do capítulo fiz algumas áreas correndo porque queria saber a continuação da história e o jogo me impediu de retornar até depois do final do capítulo 2. Fiquei com quest aberta e várias áreas inexploradas. Então, se puder, só faça as quests da história depois de zerar o restante. Você pode consultar os mapas inteiros aqui.

A segunda parte Fornis já tem uma área explorável maior mesmo no capítulo 2. E no capítulo 3 continuamos nela com mais áreas disponíveis para explorações.

O mundo até o momento é formado por pedras e uma vegetação rala e sem atrativos. A natureza não é nada generosa. É árida, seca e difícil. Eu penso que intencionalmente, da parte dos produtores, por que ilustra muito bem a vida dos personagens. É uma analogia perfeita.

Os mapas também funcionam em níveis, como o combate. Níveis como plataformas, digamos assim. Você vai subindo, subindo, subindo... Quando você pensa que chegou ao topo, sobe mais. É incrível. Tem lugares em que senti um pouco de vertigem mesmo. lol

E existem lugares que são inacessíveis ou por conterem mobs em níveis muito superiores ao seu atual ou por exigirem habilidades que você não possui e que serão liberados pelos heróis, como escalar em trepadeiras coladas à paredes ou subir em superfícies íngremes e escorregadias.

Estas habilidades são liberadas por heróis da história. A escalada pelas trepadeiras, por exemplo, é liberada pelo Valdi da Colônia 30 e a subida pelo Teach da Colônia Gama. 

Os pets Riku e Manana começam com quests simples e acabarão por se tornarem heróis também.

Quests

Muito bem, então temos um mundo imenso e um combate viciante. O que fazer com isto? A princípio só desbravei querendo mostrar todo o mapa até suas divisas. Não tem muito o que fazer pelo mundo. São uns baús, que aqui são chamados de recipientes, uns baús de mantimentos que vez ou outra aparecem pelo mapa, a caçada pelos monstros únicos ou de lutas entre monstros (que dão recompensas quando lutamos por um dos lados), por corpos de soldados mortos (ganhamos pontos de afinidade com a colônia enviando-os com flauta) e só. Por enquanto ainda não identifiquei áreas de farm de itens, mas provavelmente em algum ponto deve ter.

Então, o que realmente torna a coisa divertida são as quests. Existem 2 tipos de quests: as comuns e as dos heróis. As comuns, não são muitas, devo dizer. Eu estou em algum ponto entre a metade e o encerramento do capítulo 3 e fiz 21 quests destas no total. Posso ter perdido alguma, porque tem quests que você somente encontra quando passa por determinado local. Muitas quests comuns, a maior parte, surge nas colônias, antes ou depois de serem liberadas. 

As quests comuns normalmente envolvem ajudar alguém a fazer algo. Passa longe daquela coisa tediosa de ir não sei aonde matar determinado mob ou coletar não sei quantos itens. São bastante interessantes, às vezes longas, em várias etapas e com histórias que na maior parte do tempo, fazem bastante sentido. 

Ontem a noite encerrei uma quest em que o garoto que assumiu o papel de Off -Seer quando o Noah desapareceu da colônia, estava demostrando um comportamento estranho e acabou mesmo por desaparecer. Para encontrá-lo fomos a vários locais, onde encontramos pessoas que nos deram dicas e finalmente o encontramos. E o motivo para seu comportamento era que ele estava muito confuso com todas as implicações sobre o sentido da existência, da vida e da morte, depois dos eventos que ocorreram no jogo. O que faz muito sentido, pois tudo o que eles davam por certo e garantido foi modificado, a própria existência mudou. 

Mas são as outras quests, as dos heróis, que são realmente viciantes. 

Para encontrar as quests, varia. Às vezes é decorrência de alguma outra quest ou do caminhar da história. Para as quests comuns basta ouvir o que está sendo conversado nas colônias e depois discutir o assunto nas cantinas ou acampamentos. As quests de heróis tem uma dinâmica própria. É necessário estar um local específico para disparar uma ação. 


As quests de heróis

A equipe é pensada para ter sempre 7 integrantes, os 6 fixos da equipe e 1 avulso, que vai mudando e que são os heróis. Eles são pessoas com talentos ou habilidades extraordinárias que vamos encontrando por aí no mapa. Normalmente suas quests envolvem alguma colônia e sua libertação. 

Depois que Noah e Mio interlinkados descobriram como destruir os relógios de coleta de essências nas colônias e assim libertar os colonos do jugo do mecanismo que os obrigava a lutar na guerra, nossa tarefa no jogo, além de seguir a própria história, é libertar todas as colônias. O que é um evento bem gratificante, tanto em termos de história em si, porque nos sentimos bem liberando as pessoas daquela vida horrível, quanto em termos de lutas e quests.

Estas quests são quase sempre longas e envolvendo uma luta inicial com o herói e uma ou mais lutas finais, finalizando com a luta com um Moebius. Estas lutas até o momento não chegaram a representar muita dificuldade e não sei bem se foi porque estou super hupada ou se o jogo sempre os coloca um pouco abaixo de seu nível. Entretanto, prevejo que algumas destas lutas não serão nada fáceis!

A história envolvendo os heróis é normalmente interessante e sensível. Eles são interessantes. Cada um com personalidade e história diferenciada das demais. Eu tenho até o momento cinco heróis: Ethel, Valdi, Zeon, Teach e Gray. Hoje ainda tentarei conseguir a Alexandria. 

Nós iremos postar um guia de quests, ao menos destas quests de heróis em breve.

Oroboros de Eunie e Taion

História 

Meu Deus, meu Deus, meu Deus!!! O que é esta história que me deixa aturdida e confusa? Para onde está indo? 

Uma história, para ser uma boa história, não basta ter um enredo interessante, tem que ser bem contada, como as piadas que só fazem rir quando são bem contadas, independentemente do quão boas sejam. E, se há algo que não podemos reclamar quanto ao jogo é sobre a forma como é contada. Nos mantém em suspense todo o tempo. Todos os finais de capítulo são de cortar a respiração e aturdir a níveis insanos. 

Cada final de capítulo supera o anterior, algo que a capítulo julgo ser impossível e ainda assim acontece. O final do 3 é imenso, demora e demora e demora. Você pensa que acabou e vem mais. E, céus! Joran é um Moebius!!! Como assim? Ele morreu, não morreu? Sim, ele confirma. Morreu. Então... Como? E Eunie que descobriu que morreu anteriormente também, um pouco mais cedo no capítulo. 

Do que se trata esta história? Os personagens estão em um tipo de reality show montado pelos Moebius apenas para que apostem em qual lado vencerá cada batalha assim se divirtam? Os personagens são clones de almas anteriormente existentes e que são reaproveitadas vezes e mais vezes? E os Moebius, o que são? Falam dos seres humanos como se não fossem humanos. São o que, meu pai???

Vontade de voar até o final só para saber as respostas, mas sei que o gostoso é ficar sabendo assim, no decorrer do caminho.

Conclusões até aqui

Xenoblade Chronicles 3 não teve muito apelo no Brasil, seja porque é para o Switch que não é o mais popular dos consoles, seja porque não é legendado ou traduzido para Português. É uma lástima, pois este jogo é maravilhoso e gigantesco. 

É muita coisa para se fazer e de forma muito divertida. É jogo para semanas inteiras. 

Que pena!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

(FF XII) TÁ TUDO AQUI! (detonados, história, summons, mapas, dicas, gil, rare itens, farms) Só clicar.

           Responsável: Neiva  - Posts:  Neiva , André  - Colaboração:  Emanuel Traduções: Bruno , Jackson ,  Mário , Thiago , Bruno B. LEIA ISTO PRIMEIRO  SOBRE FFXII Itens perdíveis e dungeons não retornáveis História completa em português   O filme completo em inglês TRADUÇÃO EM PORTUGUÊS BR O mundo de Ivalice Raças MONTANDO A EQUIPE Personagens Como combinar classes Simulador de combos de classes SISTEMA DE COMBATE Equipe Killer Neiva   Sobre o sistema de combate e Gambits Equipe Killer André Todos os Gambits Todas as magias e técnicas MEU JOGO (NEIVA) Buffs e Debuffs Primeiras impressões Atributos Introdução Zodiac System e seu sistema de classes A Cidade Real de Rabanastre Drops raros com chains e monographs O Portão Leste Downtown EQUIPÁVEIS O Palácio R

(FF XII) Hunts (caçadas)

Por André Anastácio  A sidequest mais conhecida de Final fantasy XII com certeza é a caça aos 45 marks do jogo. Marks são monstros poderosos, que precisam ser eliminados para, de alguma forma, alguma pessoa ser beneficiada com isso.  Agora é hora demostrar como detonar essas missões paralelas. Verificando o quadro que fica nos bares das cidades (Rabanastre, Bhujerba, Baifonheim), você pode aceitar pedidos para caçar Marks. Eles vão aparecendo conforme seu Rank de caçador subir, e ele sobe conforme você mata mais Marks e inimigos. Aceitando um pedido, você deve ir falar com o cliente antes de sair para matar o monstro. Quando falar com a pessoa em questão, a mensagem "The Hunt Begins" aparece na tela, e aí é só ir caçar o bicho. E lembre-se de retornar ao cliente quando acabar a missão para pegar sua recompensa. P.S.: É altamente recomendável sempre dar steal (para roubar itens) nos monstros de caçadas pois alguns deles oferecem itens EXCELENTES e que você p

(FF XII) Todos os 80 Rares Monters, com localização, condição para aparecer e mapas

Lista compilada por   Sephirosuy Tradução de Thiago Felix Rare Monster Nº 01/80 Nome: Aspidochelon (293) HP: 63540 EXP: 1846 LP: 11 Fraqueza : Wind Dropa: Engage Solid/Adamantine Trophy Steal: Scarletite Original: Adamantitan Rare Rank: ***** Localização: Cerobi Steppe/ Feddik River Aparecimento: Na área que se divide em três. Há 40% de chance de substituir um dos Adamantitan. Rare Monster Nº 02/80 Nome: Thalassinon (295) HP: 60100 EX: 1775 LP: 10 Fraqueza: Wind Dropa: Engage Shell/Shelled Trophy Steal: Adamantite Original: Emeralditan Rare Rank: **** Localização: Phon Coast/ The Vaddu Strand Aparecimento: Está mais a sudoeste, espere um pouco na colina, ele aparecerá no fundo. Rare Monster Nº 03/80 Nome: Greeden (297) HP: 7281 EXP: 410 LP: 3 Fraqueza: Earth Dropa: Braid Wool, Blood Wool Steal: Wind Magicite, Wind Crystal Poach: Blood Wool Original: Wooly Gator Rare Rank: *** Localização: Dalmasca Estersand/ Bank of the Nebra Aparecimen

(FF XII) Lista de todas as armas, status e localização

Por André Anastácio Lista completa das armas com seus status e localização Charge Time se refere a velocidade da arma. Armas que são obtidas através do Bazaar estão apenas com o nome com que elas aparecerão lá. Um guia detalhando os passos para montá-las será feito em breve. Obs 1 - Dados tirados da Wikia do jogo, alguns estão sujeitos a alteração pois podem não estar corretos. Obs 2 - A maior parte das armas que estão em baús não possuem 100% de chance de aparecer. One-Handed Swords Oferecem um bom balanço entre velocidade, consistência e poder. Assim como todas as armas de uma mão (One-Handed), permitem o uso de escudo. Dano é calculado baseado na Strength (força) do personagem, ataque da arma e defesa do alvo. Todas elas, exceto a Stoneblade, adicionam +5 de evasão. Jobs que podem utilizá-las - Knights (todas elas), Time Battlemage (apenas algumas, precisa de Esper) e Bushi (apenas a Bloodsword, precisa de Esper). Fórmula de dano Mithril Sword Attack - 14

(FF XII) Espers (summons) e suas localizações

Por André Anastácio É importante lembrar como funcionam os Espers de Final Fantasy XII. Para obter um Esper, primeiro é preciso vencê-lo em combate (alguns serão encontrados ao longo da história e outros são opcionais) e após isso, associá-lo a algum personagem através do quadro de licenças. Quando for derrotado, o Esper irá aparecer disponível no quadro de licença de todos os personagens, mas apenas um poderá tê-lo. Sendo assim, é importante decidir qual Esper irá para cada personagem especialmente pelo motivo de os Espers poderem estar bloqueando espaços específicos do quadro de licença em alguns Jobs. Diferentemente da versão original, na Zodiac System os Espers utilizam a barra de Quickening (que ficam abaixo no nome dos personagens) ao invés de MP para serem invocados. Outra adição é o fato deles poderem ser diretamente controlados. Por poderem ser controlados, é possível utilizar seus ataques especiais sem precisar cumprir as (complexas) condições necessárias anteriormente.